São Paulo Reclama

TAM - BUROCRACIA PARA SOLUCIONAR PROBLEMAS

, O Estado de S.Paulo

12 Janeiro 2011 | 00h00

Cancelamento de voo

No dia 14/12, retornando de Vitória, com conexão em São Paulo, deparei-me com o Aeroporto de Bauru (meu destino final) fechado por causa das condições climáticas. Os funcionários da TAM, mal educados, não ofereceram a opção "conclusão do serviço por outra modalidade de transporte, em caso de interrupção", conforme previsto pelo artigo 8.º da Resolução 141 da Anac. Ofertaram reembolso, acomodação em outro voo no dia seguinte ou remarcação. Como não podia aguardar até o dia seguinte, optei por um táxi pago pela TAM até a rodoviária, embarcando de ônibus até meu destino com recursos próprios. Os funcionários da TAM garantiram que o reembolso seria feito por uma loja da empresa. Mas em Bauru não há nenhuma, só em São José do Rio Preto, ou seja, eu teria de me deslocar mais de 200 km para isso! Liguei para a empresa e a atendente informou que não constava que o voo fora cancelado e que, por essa razão, ela não poderia remarcá-lo sem cobrar taxa de R$ 130 mais a diferença de tarifa, se houver. E ainda: para solucionar o caso, eu teria de ir a uma loja da TAM.

ANA CAROLINA GALVÃO MARSIGLIA / BAURU

A TAM, por meio do Fale com o Presidente, diz que entrou em contato por e-mail com a sra. Ana Carolina para informá-la de que, como forma de minimizar os transtornos vivenciados por ela, foi autorizada a remarcação do trecho São Paulo/Bauru sem a cobrança de taxa. O trecho pode ser usado até 16/11/2011.

A leitora confirma: Na segunda-feira entrei em contato com a TAM e o trecho foi remarcado sem cobrança de taxa. Mas só após a interferência do jornal consegui uma solução.

FIM DA PROMOÇÃO?

Cobrança indevida

Em 13/11 instalei o Sem Parar em meu veículo para testar o serviço por 30 dias. Segundo a promoção, a taxa de adesão só seria cobrada se eu resolvesse continuar com o produto após esse período. Mas já no dia 18/11 apareceu um débito em minha conta referente à adesão. Entrei em contato com a empresa e informei que a cobrança era indevida. Mas como nada foi feito, telefonei de novo e a atendente informou que daria 20% de desconto no valor da adesão, mas que não seria possível ressarcir o valor cobrado. A empresa ligava quase diariamente para me cobrar. No dia 11/12 devolvi o aparelho antes de completar os 30 dias de uso gratuito. Mas no dia 20/12 foram debitados da minha conta corrente mais R$ 62 referentes à adesão. Novamente entrei em contato com a empresa e, após vários protocolos, fui informada de que seria ressarcida no dia 24/12, o que não ocorreu. E para piorar, recebi um e-mail no final do dia dizendo que no dia 30/12 seriam debitados em minha conta R$ 10,84 referentes à manutenção do aparelho. Mas eu já o tinha devolvido! Ou seja, não fui ressarcida e ganhei mais um débito.

CINTHIA PEDRO MENDONÇA / SÃO PAULO

O Sem Parar/Via Fácil esclarece que, por falha de digitação, não foi incluída a promoção mencionada pela sra. Cinthia, o que ocasionou a cobrança antecipada dos valores mencionados. A empresa concorda com a leitora de que o atendimento recebido não foi adequado e informa que os funcionários foram advertidos. Pede desculpas pelo ocorrido e informa que os valores serão ressarcidos.

A leitora confirma: Recebi a devolução dos valores.

INSPEÇÃO VEICULAR

Veículos oficiais

O Programa de Inspeção Veicular não vale para os veículos da Prefeitura? No dia 27/12, às 11 horas, flagrei um caminhão da Prefeitura circulando pela Rua Verbo Divino (Granja Julieta) emitindo espantoso volume de fumaça preta.

ATTILIO BRUNACCI / SÃO PAULO

A Assessoria de Comunicação da Controlar esclarece que a Portaria 147/2009 da Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente determina que todos os veículos cadastrados na cidade de São Paulo façam a inspeção veicular ambiental.

A Secretaria do Verde e Meio Ambiente informa que, conforme o convênio firmado entre Prefeitura e governo do Estado todos os carros oficiais estão dispensados do pagamento do valor da tarifa, mas a realização da inspeção é obrigatória. Os veículos que não realizam a inspeção veicular dentro do prazo estão sujeitos à multa, além de ter o licenciamento bloqueado.

O leitor comenta: Essa resposta deixa claro que os carros oficiais podem poluir à vontade, como foi o caso do caminhão de placa BVZ 7746, que emitia muita fumaça. Não seria mais honesto responder que o referido caminhão foi vistoriado e solucionado o problema?

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.