São Paulo Reclama

NET E TELEFÔNICA - PLANOS INDECENTES

, O Estado de S.Paulo

30 Dezembro 2010 | 00h00

Em maus lençóis

A Telefônica cobrava R$ 39,97 por minha assinatura mensal. Em abril de 2009 a chamada assinatura mensal mudou para plano de minutos e subiu para R$ 59,77, que vigorou até agosto de 2010. Em setembro o valor foi alterado para R$ 71,59, um aumento absurdo. Ressalto que todas essas mudanças foram feitas sem a mínima consulta ao cliente. Como os 900 minutos que pago pelo plano não são atingidos por minha família, procurei saber de outros planos para diminuir os gastos. Soube então que há um de 550 minutos, com valor mais alto! Com a NET tenho o plano Combo (TV, Vírtua e NET fone). Quando a linha telefônica foi instalada, fui informado de que pagaria só pelas ligações feitas, uma mentira, pois recebi a cobrança de R$ 37,80 pela franquia. Reclamei e ouvi o seguinte: que a partir de dezembro, usando ou não a linha NET, pagarei mensalmente os R$ 37,80, que correspondem a 300 minutos. A NET informou ainda, que se eu quiser retirar a linha, meu plano mensal aumentará.

ARIOVALDO J. GERAISSATE / SÃO PAULO

A Telefônica não respondeu. A NET disse que entrou em contato com o cliente e esclareceu as dúvidas referentes ao período promocional do serviço NET Fone.

O leitor revela: A NET telefonou e informou que, ao analisar meu histórico como cliente, iria me isentar por um ano da taxa de franquia. Agradeci e disse que daqui a um ano volto ao assunto. Já para a Telefônica tive de repetir tudo e parece que a atendente não entendeu nada. Disse que estava encaminhando a reclamação ao setor competente. Aguardo até hoje.

SONHO FRUSTRADO

Reprodução assistida

Solicito ajuda, pois não consigo me cadastrar para fazer uma possível inseminação no Hospital Pérola Byington. Soube do telefone para cadastro em um jornal. Mas acredito que se trata de uma propaganda enganosa, pois não é possível falar com alguém. A informação é de que o contato deve ser feito às quartas-feiras, porém tentei durante o ano inteiro de 2010 e não consegui ser atendida. Uma funcionária da Ouvidoria me orientou a procurar qualquer meio de comunicação, visto que ela não pode fazer nada. Informou que o atendimento é feito apenas por uma pessoa e que não poderia sequer anotar meu telefone para fazer o cadastro. Houve dias em que comecei a ligar às 7h30 e parei às 17 horas. Sinto-me frustrada, pois não é justo brincarem com a esperança de pessoas como eu que estão tentando realizar o sonho de ser mãe. Não quero fazer o tratamento de imediato, quero ao menos me cadastrar para entrar na fila de espera. Não sei mais a quem recorrer.

FABIANA LIMA / SÃO PAULO

O Hospital Pérola Byington esclarece que é o único serviço público a oferecer tratamento de reprodução assistida à população de todo o Estado de São Paulo de forma totalmente gratuita e, por isso, recebe um número alto de ligações diárias, o que por vezes inviabiliza o atendimento de todos os interessados. Informa que o hospital está ampliando o Laboratório de Fertilização, com a perspectiva de aumentar em 50% o número de atendimentos mensais.

A leitora revela: Em nenhum momento o Hospital respondeu ao meu questionamento sobre como consigo fazer um cadastro. Estou me sentindo pior ainda com essa resposta.

DIFÍCIL SAIR DE CASA

Ponto bloqueia garagem

O ponto de ônibus localizado na Rua Diogo Jacome, 764, prejudica a entrada e a saída dos automóveis dos moradores do edifício em frente, desde que a entrada passou a ser feita pela porta anterior do coletivo. O ônibus já quebrou no local, bloqueando totalmente a circulação. O problema é simples de ser resolvido, pois, logo adiante, na mesma calçada, há um muro de um colégio, podendo o ponto ser mudado para esse local, sem prejudicar ninguém. Já fizemos diversas solicitações à Prefeitura, DSV, CET e SPTrans, e nenhuma providência foi tomada.

JAIME CALADO/ SÃO PAULO

A SPTrans esclarece que o local do ponto não deve ser alterado, diante do número de veículos que circulam no local, cerca de 15 por hora no horário de pico. Diz que o local em que está instalado é o que apresenta as melhores condições nas imediações para os passageiros. Explica que, para a instalação de uma parada, são necessárias algumas condições, como ausência de guias rebaixadas e interferências como poços de visita de concessionárias e, se for em frente de um estabelecimento comercial, da aprovação do proprietário.

O leitor contesta: As fotos que enviei comprovam que a resposta não é satisfatória.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.