São Paulo Reclama

TRÂNSITO PARADO NA ZONA NORTE

, O Estado de S.Paulo

28 Dezembro 2010 | 00h00

Problema só piora

Trafegar por Santana e por bairros próximos, como Santa Terezinha, Mandaqui, Lauzane, pelas Avenidas Parada Pinto e Santa Inês virou um martírio a qualquer hora. A Rua Voluntários da Pátria e a Av. Cruzeiro do Sul sofrem com intermináveis congestionamentos, em razão da falta de sincronismo dos semáforos. Não se consegue atravessar dois semáforos seguidos de uma vez. Já nos bairros citados, há carros parados em locais proibidos ou, no mínimo, inadequados, além de paradas de ônibus grudadas aos semáforos e tráfego de caminhões e ônibus em ruas estreitas. Para piorar, há a permissão de construção de espigões sem se avaliar o impacto sobre a região.

MAURÍCIO ADRIANO NIEL / SÃO PAULO

A CET esclarece que adota medidas para avaliar o impacto de empreendimentos no sistema viário. Uma delas é a análise de Polos Geradores de Tráfego, para diminuir o impacto de empreendimentos de grande porte sobre o tráfego das vias que lhes dão acesso. São utilizados modelos matemáticos para estimar a atração/geração de viagens. Com base em informações tais como volume de veículos e pedestres, composição do tráfego, condições da sinalização, etc., a CET avalia e propõe a implantação de obras e serviços para mitigar o impacto negativo. A obtenção do certificado de Conclusão da Edificação fica condicionada ao cumprimento dessas medidas. A CET diz que faz a sincronização dos semáforos sempre que necessário e monitora os principais corredores da zona norte diariamente.

O leitor questiona: As argumentações da CET, como sempre, são vagas. Os problemas na região continuam. É um verdadeiro martírio trafegar por Santana e bairros próximos.

O SENHOR DAS RUAS

Lixo por toda cidade

Em frente à creche Wilma Alvarenga de Oliveira, na esquina da Rua Domingos Peixoto da Silva com a Rua Integrada, no Capão Redondo, zona sul, existe um ponto viciado de entulho em cima de uma boca de lobo sem tampa. O problema do lixo na cidade de São Paulo, ocasionado em grande parte pela falta de consciência da população e do faz de conta da administração municipal, está à beira do caos. Em toda a zona sul o lixo é o senhor das ruas. O Córrego Moenda Velha está entupido de sacolas plásticas. A impressão que se tem é de que o serviço de limpeza da região está em processo de falência. A Prefeitura saberia informar a razão de tanta sujeira?

DEVANIR AMÂNCIO / SÃO PAULO

A Assessoria de Imprensa da Subprefeitura Campo Limpo informa que já foi realizada limpeza mecanizada em toda a área. Entretanto, reforçará o serviço e uma nova limpeza está programada para hoje. Qualquer denúncia pode ser feita pelo 156, nas praças de atendimento das subprefeituras ou pelo site http://sac.prefeitura.sp.gov.br/. Lembra que na região há dois ecopontos, um na Av. Dr. Salvador Rocco, nº 400, e outro na Travessa Rosifloras, nº 301, Cohab Adventista, e qualquer pessoa pode entregar pequenos volumes de entulho (até 1 m), grandes objetos (móveis, poda de árvores, etc.) e resíduos recicláveis.

ÁRVORE PRESTES A CAIR

Análise demorada

Todos os dias levo meus filhos à escola Lourenço Castanho, na Vila Nova Conceição, e estaciono meu carro na Rua Leonardo Nardez. Outras mães e eu estamos muito apreensivas com a situação de uma árvore que fica em frente a uma obra no número 64 da rua. Ela está inclinada, já foi amarrada com cordas, está encostada em fios de eletricidade e deve cair ao primeiro vento forte ou chuva. Moradores das casas vizinhas informaram que já solicitaram sua remoção à Prefeitura, AES Eletropaulo e a outros órgãos, sem solução alguma. Se cair, a árvore causará sérios prejuízos a moradores, aos carros estacionados e, ainda, a pessoas e crianças que estiverem passando pelo local. Peço ajuda, pois ninguém está se importando com a tragédia que deve ocorrer em breve.

MARIA HELENA HADDAD / SÃO PAULO

A Subprefeitura Vila Mariana informa que foi constatado por técnicos do órgão, que realizaram vistoria no local, que as raízes da árvore foram severamente cortadas pelos responsáveis de uma obra. Na ocasião, foi aplicada multa por poda irregular de raízes e solicitado ao proprietário que o exemplar fosse ancorado, para ser preservado. O laudo com as autuações foram encaminhados à Secretaria do Verde e Meio Ambiente (SVMA), que aplicou outra multa de R$ 20 mil ao proprietário por infração ambiental em área protegida. A SVMA acrescenta que, tendo em vista que a árvore não se recuperou como esperado, realizará uma nova vistoria para avaliar a situação do exemplar e, se for o caso, solicitar sua substituição.

A leitora lamenta: Nada foi feito até agora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.