São Paulo Reclama

CAOS NA CIDADE COM A CHUVA

, O Estado de S.Paulo

16 Dezembro 2010 | 00h00

Risco de queda de árvore

Nós, moradores da Rua Leonardo Nardes, na Vila Nova Conceição, já reclamamos do perigo de queda de uma árvore em frente da casa de número 66. Ela só não caiu por estar amarrada com cordas e escorada nos fios da Telefônica e da Eletropaulo. Nesta rua circulam crianças, que vão à escola local, e, com as fortes chuvas desses dias, fatalmente a árvore irá cair, danificando seriamente a fiação, os carros, minha casa e até transeuntes. Quem será o responsável se tais danos ocorrerem?

FERNANDO HADDAD ABUTARA / SÃO PAULO

A AES Eletropaulo informa que aguarda envio de ofício por parte da subprefeitura para realizar a poda dos galhos que estão próximos à rede elétrica.

A Subprefeitura Vila Mariana esclarece que técnicos fizeram vistoria e constaram que as raízes da árvore foram severamente cortadas pelos responsáveis de uma obra. Na ocasião, foi aplicada multa por poda irregular de raízes e solicitado ao proprietário que o exemplar fosse ancorado, para que o mesmo pudesse ser preservado. O laudo com as autuações foi encaminhado à Secretaria do Verde e Meio Ambiente, que aplicou nova multa de R$ 20 mil ao proprietário por infração ambiental em área protegida. A Secretaria do Verde e Meio Ambiente acrescenta que, tendo em vista que a árvore não se recuperou como esperado, realizará uma nova vistoria para avaliar a situação do exemplar e, se for o caso, solicitar a substituição do mesmo.

O leitor lamenta: Não tivemos solução concreta para o problema. Com as fortes chuvas desses dias a árvore balançou bastante, forçando a fiação e só não caiu por estar amarrada.

DÍVIDA DESCONHECIDA

Dor de cabeça

Recebi uma carta de uma empresa prestadora de serviços de cobrança do Rio de Janeiro, no valor de R$ 200, sendo o credor a Irep-Uniradial, comunicando que notificariam meu nome ao SPC. Já liguei para o telefone indicado na carta, mas ninguém conseguiu informar de onde procede tal dívida. Já tentei na própria universidade, cujo atendimento telefônico é péssimo, pois é preciso discar várias opções para conseguir falar com algum atendente, e minha identificação não é aceita, pois sou ex-aluna há um ano! Funcionários dizem não saber de nada e que pelo número de meu CPF não consta débito algum. Mas acrescentam que preciso me dirigir até a central de cobrança da universidade, que fica num bairro distante, para tentar resolver um problema causado por eles. É um absurdo, pois não sou devedora, recebo uma notificação e ainda tenho de correr atrás do prejuízo?

CHRISTINA TUROLLA / SÃO PAULO

A Estácio Uniradial informa que a aluna pode desconsiderar a carta de cobrança recebida, pois a situação já foi solucionada.

A leitora revela: Até agora ninguém me retornou. Escrevi para a faculdade, liguei para o câmpus da Vila dos Remédios, onde fiz o curso, mas o atendimento é direcionado para a Estácio do Rio de Janeiro, que diz não saber de nada.

ETERNOS 7 DIAS ÚTEIS

Cobrança indevida

Em outubro percebi que a TVA estava debitando em meu cartão de crédito o valor de minha assinatura de internet em duplicidade. Liguei para o SAC, onde o atendente confirmou o erro e pediu os dados de minha conta corrente para realizar a devolução (R$ 729,36) em 7 dias úteis. Após esse período, como o valor não fora creditado, liguei. A atendente explicou que a cobrança dupla era por eu estar com duas assinaturas ativas, mas que o atendente anterior havia cancelado o modem errado. Todo o processo foi refeito e me deram mais 7 dias úteis. Mais uma vez o valor não foi creditado. Em novo contato, o atendente explicou que o cartão não aceitara a devolução. Achei estranho, pois a devolução seria por crédito em conta corrente. Ele abriu pela 3.ª vez o processo de devolução. Em 10/11 o valor ainda não havia sido depositado. Liguei e abriram outro processo para a devolução. Perdi a confiança no atendimento da TVA e recorro ao jornal para ter o caso solucionado.

SÉRGIO KOCINAS / SÃO PAULO

A TVA lamenta o transtorno causado ao cliente e informa que um erro operacional causou esse problema. A TVA afirma que o cliente teve um crédito em sua conta corrente no dia 4/12, e o restante do valor será devolvido em até 7 dias úteis.

O leitor desmente: O problema ainda não foi totalmente resolvido. Resta uma diferença de R$ 49,90 que na própria resposta a TVA se compromete em creditar. A empresa esperou até as últimas consequências para me atender. Parece que quer vencer pelo cansaço.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.