São Paulo reclama

"PROMOÇÃO" NÃO CUMPRIDA PELA NET

, O Estado de S.Paulo

07 Dezembro 2010 | 00h00

Erro em cobrança

Desde janeiro tenho uma pendência com a NET. A empresa ofereceu a meu filho (assinante) uma segunda assinatura para um endereço próximo ao dele, o meu, com início em novembro de 2008, por R$ 85,23, que se estendeu até 2/1/2010, quando o pacote foi ampliado para o chamado Combo Família Conforto Fidelidade, por R$ 149,90, em que está incluído o Netfone até o limite da franquia, de R$ 37,90. Foi então que começaram os "enganos". A 1.ª fatura, de 10/1, com uma semana do contrato, veio no valor de R$ 123,13, e a 2.ª, em 10/2, incluindo ininteligíveis itens eventuais, pulou para R$ 219,29, mesmo sem o uso do Netfone, que só foi conectado em 6/3. Resumindo: em 10/4 a fatura veio com o valor correto contratado de R$ 149,90; todas as demais tiveram de ser contestadas.

MARIA I. DINIZ / SÃO PAULO

A NET informa que não obteve êxito ao entrar em contato com a cliente nos telefones informados. A empresa enviou um e-mail solicitando melhor dia e horário para contato.

A leitora discorda: Mas que esclarecimentos mais precisa a NET para entender as dezenas de reclamações feitas? A fatura que acabo de receber (vencimento em 10/12) é de R$ 159,90. As explicações: "Como não se trata mais de débito automático, mas de boleto bancário, o acréscimo de R$ 10 é devido. O assinante tinha um desconto de R$ 10, porque as faturas anteriores fizeram cobrança a maior e que, a partir de agora, em resposta da Ouvidoria às minhas reclamações, o valor será de R$ 159,90 até a fatura final do contrato. Não há como dialogar com uma empresa amparada pela Anatel!

TRECHO FATAL

Anchieta/Imigrantes

No dia 3/11 um acidente grave matou uma jovem amiga minha no único trecho do Sistema Anchieta/Imigrantes onde não há separação das pistas. Gostaria de saber quando a Ecovias construirá um muro separando as duas pistas para que motos, bicicletas e pedestres não invadam o sentido contrário, aumentando os riscos de acidente?

RENATO TIOSSO / SÃO PAULO

A concessionária Ecovias dos Imigrantes esclarece que não possui autonomia para realizar obras de relevância nas Rodovias do Sistema Anchieta-Imigrantes, sem que elas estejam incluídas na relação de intervenções previstas no contrato de concessão. Diz que, diante da necessidade de obter autorização para realizar melhorias nas estruturas de segurança no trecho entre os km 62 e 65 da Rodovia dos Imigrantes, a concessionária comunicou oficialmente a Artesp e aguarda seu pronunciamento. Diz que instalou muretas de proteção e reforçou a sinalização em alguns pontos da rodovia, também entre os km 59 e 62.

ERRO DE PORTUGUÊS

Placa do Metrô

Na manhã do dia 25/11, ao desembarcar na Estação Vergueiro do Metrô, quase não acreditei no que vi. Ao passar pela catraca, deparei-me com uma placa enorme indicando a saída com os dizeres "Beneficiência", referindo-se à saída para o hospital Beneficência Portuguesa. Um absurdo! O Metrô é uma empresa conceituada e imagino que antes de confeccionar uma placa, ela deve ser aprovada por vários setores. Pois é, o erro de português passou. Ao lado da placa há outra indicando o Centro Cultural São Paulo, onde, por uma ironia do destino, fica uma belíssima biblioteca.

MARIA MARTA KEPPLER / SÃO PAULO

O Metrô agradece a colaboração e esclarece que a comunicação do local citado já foi refeita, estando, portanto, correta e dentro dos padrões estabelecidos pela Companhia do Metropolitano.

A leitora confirma: A placa realmente agora está escrita de maneira correta.

GUARITA E FAIXAS

Estão irregulares?

É permitido que as companhias de ônibus usem a via pública como estacionamento e ponto de parada? Na Av. Professor Gioia Martins, na Vila Sônia, eles pintaram faixas exclusivas de estacionamento de ônibus no chão e mantêm na calçada uma guarita com um fiscal da empresa TransPass.

CARLOS EDUARDO ARAUJO / SÃO PAULO

A SPTrans informa que a faixa de estacionamento irregular que havia no local foi apagada. Quanto à guarita, ela não causa nenhum prejuízo aos pedestres e está instalada regularmente. Ela serve de proteção ao fiscal da linha de ônibus com ponto inicial ali, explica.

O leitor relata: A faixa foi apagada, mas os ônibus continuam estacionando no local e atrapalhando o trânsito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.