São Paulo Reclama

PROBLEMA AINDA SEM SOLUÇÃO

, O Estado de S.Paulo

26 de novembro de 2010 | 00h00

Carro com placa clonada

Fizeram um carro dublê com a placa igual à do meu veículo. Comprovei a fraude com as notificações de infração e com as penalidades de multas que recebi. Já providenciei os devidos recursos no Departamento de Operação do Sistema Viário (DSV), que os rejeitou administrativamente, e na Junta Administrativa de Recursos de Infrações (Jari), onde o processo ainda está em andamento. Fiz o bloqueio no Departamento de Licenciamento. Agora, solicito a troca da numeração de placas, mas o Detran diz que não realiza mais esse procedimento e que eu deveria procurar um advogado. Sempre mantive a minha documentação em ordem e as infrações por mim cometidas sempre foram pagas. Como cidadã honesta, que paga os impostos corretamente e sendo a vítima, não posso ser prejudicada de tal forma a ter de arcar com despesas com advogado e ter de aceitar situações de constrangimento. Ainda corro o risco de perder meu emprego por causa das ausências frequentes para comprovação da minha inocência, a cada chegada de multa, e de ficar impossibilitada de vender o carro para não transferir o problema a outro proprietário. Como pode existir tantos departamentos/divisões para cuidar de análises de processo e nenhum ter autonomia para a resolução desse problema? KELLY CRISTINA PALERMO / SÃO PAULO

O Detran não respondeu.

A leitora diz: Ainda não recebi nenhuma resposta ou algo parecido. Ao contrário, as multas chegam rápido e os débitos em meu nome já constam no sistema. O recurso da Jari ainda está em andamento.

FALTA DE SOSSEGO

Barulho constante

Em frente à minha residência há um galpão que pertence ao projeto "Gente é para Brilhar", onde, em alguns fins de semana, são realizadas festas com música ao vivo em alto volume. Como o galpão não possui tratamento acústico e é aberto, não consigo nem ouvir a TV em casa. Nem aos domingos temos sossego. Já chamei a polícia várias vezes, que resolve o problema só na hora, pois quando os policiais vão embora o barulho volta. Meu marido quis ir até a delegacia para prestar queixa formal, mas disseram que não iria adiantar, pois nós éramos os únicos a reclamar e teria de haver, ao menos, mais um domicílio se queixando.

SÔNIA HUTTERER TEIXEIRA / SÃO PAULO

A Polícia Militar não respondeu.

A Assessoria de Imprensa da Secretaria das Subprefeituras solicitou nome e endereço do local que ocasiona o transtorno (que já constavam no e-mail da leitora.)

A leitora lamenta: O problema continua. Agora, no final do ano, as festas ocorrem praticamente todos os finais

de semana.

DESCASO

Falta de serviço básico

Tenho uma propriedade rural em Piracaia, cidade a 90 km da capital paulista, com distribuição de energia elétrica pela Elektro. Em agosto, fiz um pedido para o corte de galhos de árvores que estão sobre e sob a rede elétrica. Passados os 15 dias indicados para a execução dos serviços de poda, nada foi feito. Passei a fazer as solicitações via e-mail, mas só recebo novos números de protocolo. Isso é um descaso. Agora, com o início das chuvas, os problemas se agravaram. Frequentemente falta energia quando chove com bastante intensidade.

CARLOS ALBERTO DA FONSECA FUNCIA / SÃO PAULO

A Elektro não respondeu.

O leitor informa: Nada foi feito até hoje e a situação só tende a piorar!

AMERICAN AIRLINES

Faltou explicação?

Quero relatar a total falta de atenção da American Airlines. Como tive de cancelar duas passagens por motivo profissional, solicitei vauchers para serem usados numa viagem posterior. As lojas da American Airlines, assim como o serviço de telefone, não conseguem resolver o problema. Solicitam que eu envie um e-mail explicativo ao SAC, o que já fiz em várias oportunidades, mas até o presente momento a companhia nem se dignou a responder. O último e-mail, por exemplo, foi enviado em 28/10.

EFRAIN OLSZEWER / SÃO PAULO

A American Airlines não

respondeu.

O leitor relata: Já se passaram 3 meses desde que a passagem foi cancelada. Além dos e-mails enviados, já deixamos a documentação no escritório no Hotel Renaissance, mas não obtivemos resposta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.