São Paulo reclama...

DESPEJO DE ESGOTO EM MOGI DAS CRUZES

, O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2010 | 00h00

Denúncias ignoradas

Moro na Rua Monte Carmelo, Parque Morumbi, em Mogi das Cruzes. Desde que a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) fez convênio com a prefeitura, vejo que não há mais interesse em atender às denúncias sobre o despejo de toneladas de esgoto pela prefeitura na trilha das nascentes. Em 2008 a Cetesb abriu um processo contra a prefeitura, mas ele está parado. Análises confirmam o despejo e o chefe de Gabinete do prefeito já assumiu que isso continua ocorrendo e disse que nada vai mudar enquanto a prefeitura não tiver verbas. O diretor do Serviço Municipal de Águas e Esgoto (Semae) declarou que não vai tirar o esgoto de um lugar errado e despejá-lo em outro também errado, além de dizer que tem poder de multar a prefeitura, mas não o faz "por uma visão mais global". Já buscamos outras as alternativas como a Polícia Ambiental e a Ouvidoria da Cetesb, mas tudo fica por isso mesmo.

DECIO R. LOPES / MOGI DAS CRUZES

A Cetesb informa que, no caso do município de Mogi das Cruzes, os entendimentos estão sendo conduzidos com o Semae, cujas ações estão consubstanciadas no Plano Diretor de Saneamento. Por meio de ofícios, a Cetesb, por intermédio da Agência Ambiental de Mogi das Cruzes, já comunicou ao Semae da necessidade de priorizar o controle da carga de esgotos urbanos lançada nos corpos d"água da região, incluindo o Parque Morumbi. Coletas de amostras de água e inspeções em vários pontos da região já foram realizadas, incluindo a área apontada pelo sr. Lopes. Diz que os relatórios estão em fase final de avaliação, de modo a definir os encaminhamentos a serem dados, conforme a legislação ambiental vigente. Esclarece que não é verídica a declaração apontada ao diretor do Semae.

SEM ACABAMENTO

Será que agora termina?

Há muito tempo a calçada da Av. Amaral Gurgel teve seu calçamento retirado e ficou apenas um buraco aguardando o acabamento. Esse trecho é bem longo, vai de uma quadra a outra até a esquina com o Largo do Arouche. É incrível como o centro é abandonado pelas autoridades. Lá se vê de tudo: lixo dos moradores de rua, praças sem cuidado e agora não terminam o calçamento de uma avenida importante. Corre-se o risco de sofrer acidentes ali.

REGINA TELES / SÃO PAULO

A Subprefeitura Sé informa que o contrato de readequação dos passeios, entre as Ruas Jaguaribe e Consolação, se findou em 13/7. Explica que, como a empresa não cumpriu as cláusulas contratuais, foi proposta a aplicação de penalidades que seguem os prazos legais para recurso e outras deliberações. Em paralelo, diz, um novo procedimento licitatório está em andamento, visando à contratação de uma outra empresa, que deverá não só executar os serviços remanescentes, bem como corrigir as eventuais anomalias deixadas pela primeira contratada.

DESCONTO EM FOLHA

Reajustes da Previdência

Em agosto, já com os descontos do empréstimo consignado da Caixa Econômica Federal, recebi R$ 1.800. Em outubro, percebi uma defasagem de pelo menos R$ 200 de minha aposentadoria. Ao entrar em contato com a Prevfone, fiquei horrorizado. A atendente disse que, com o passar do tempo, a tendência é de que os benefícios de aposentadoria por invalidez, como é o meu caso, sofram defasagem. Como minha família sobreviverá daqui a 2 anos, se eles continuarem a desfalcando meu sustento garantido por lei?

IVALDO SANTANA DE OLIVEIRA / SÃO PAULO

A PREVCartas/INSS-SP responde que, conforme informação prestada pela agência do INSS da Penha, o valor de R$ 154,68 na competência de julho/2010 no benefício do sr. Oliveira se refere à diferença de reajuste de 6,14% para 7,72% relativa ao período de 1º/1/2010 a 30/6/2010, autorizada pela Lei

nº 12.254 de 15/6/2010 que dispõe sobre o reajuste dos benefícios mantidos pela Previdência Social.

O leitor reclama: O INSS ainda desconta o valor do Imposto de Renda no meu pagamento, mesmo eu tendo direito à isenção. Por conta disso, a Receita Federal me multou em R$ 240.

FALTA AÇÃO DA ANS

Planos de saúde

Gostaria de saber até quando a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) permitirá que a população continue sendo explorada e maltratada pelas empresas de seguro. Não se consegue marcar consultas ou obter autorização para exames. Só há atendimento automático ou por funcionários despreparados. Agora chegaram ao cúmulo de agendar consultas em locais que não são mais credenciados. Perde-se tempo, dinheiro e a saúde, pois é inevitável não ficar nervoso com tanto descaso.

DOMINGOS CESAR TUCCI/ SÃO PAULO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.