São Paulo reclama

MORADORES DE RUA, SUJEIRA E PRAÇAS ABANDONADAS

, O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2010 | 00h00

Situação comum

As ruas e praças do Brooklin, principalmente as que ficam ao longo da Av. Nova Independência com a Av. Luís Carlos Berrini estão em estado lastimável. As praças do bairro estão abandonadas e imundas, há muito lixo acumulado nas (poucas) lixeiras que ainda resistem e em todo o entorno. O mato e galhos que caíram com as chuvas tomam conta de tudo. Mas o que mais me impressiona é o número cada vez maior de pessoas que habitam esses locais. Há barracas improvisadas, carroças cheias de material, homens, mulheres e crianças dormindo no chão. Uma vida sub-humana e degradante, sem falar no uso de álcool e drogas que passam de mão em mão. Os direitos dos cidadãos têm que ser respeitados ou então devemos exigir que o IPTU seja devolvido pela atual administração, para que possamos, nós mesmos, cuidar da cidade.

MÁRCIA PEREIRA / SÃO PAULO

A Subprefeitura Pinheiros informa que as praças e os canteiros da região do Brooklin recebem serviços de manutenção e limpeza rotineiros. Mas é importante o apoio da população no combate ao descarte de lixo irregular e o respeito aos dias e horários de coleta. Ressalta que as lixeiras sofrem com o vandalismo, mas a subprefeitura procura repô-las. Sobre os moradores de rua, ações desta subprefeitura com agentes da Assistência Social são programadas com o objetivo de promover o encaminhamento deles para albergues, bem como realizar a limpeza e a remoção de objetos do local.

A Polícia Militar esclarece que, no tocante ao comércio e uso de entorpecentes, mantém forte estrutura na região, a fim de prevenir o tráfico. Mas ressalta que a questão é mais complexa.

CAMPANHA POLÍTICA

Desrespeito à cidade

Passadas mais de 3 semanas do primeiro turno das eleições, ainda vejo propaganda de políticos candidatos a deputado e a senador espalhada pelas calçadas. Embaixo do viaduto da Av. Luís Carlos Berrini com Av. Roberto Marinho, há uma pilha de placas de propaganda. Outro lugar em que presenciei foi na Rua Sapetuba, no Butantã, onde a placa ainda está no canteiro central. São monumentos à incompetência da Prefeitura, pois, se cabe a ela retirá-las, não as retirou; e se cabe a ela somente fiscalizar, não fiscalizou. Pode ser que seja conivente com a situação, afinal são todos políticos e farinhas do mesmo saco.

MAURO RIBEIRO GAMERO / SÃO PAULO

A Secretaria de Coordenação das Subprefeituras informa que a competência para determinação da remoção da publicidade eleitoral irregular cabe ao Tribunal

Regional Eleitoral (TRE), conforme prevista em legislação. Cabe aos funcionários da Secretaria Municipal de Coordenação das Subprefeituras auxiliar na retirada do material.

O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo, em parceira com a Prefeitura, diz que tem feito diversas ações de fiscalização e remoção da propaganda irregular. Em relação à reclamação, informa que será determinada a averiguação. Esclarece ainda que, de acordo com a legislação eleitoral, os candidatos, os partidos políticos e as coligações têm até 30 dias após as eleições para remover as propagandas regulares. Após esse prazo, o TRE e a Prefeitura recolherão o material remanescente.

O leitor informa: Até o dia 22/10 nada mudou. Essas pessoas emporcalham a cidade e ainda têm prazo para limpá-la!

ÔNIBUS SUJOS

Falta de fiscalização

Antigamente, quando pegava ônibus pela manhã, era comum encontrá-lo cheirando a produtos de limpeza, muitas vezes os assoalhos ainda estavam molhados, indicando que o ônibus tinha sido lavado. Hoje os ônibus andam sujos, não porque ficaram dois, três dias, uma semana sem lavar, mas porque, simplesmente, não são lavados. Se o passageiro usar roupa clara e sentar do lado da janela, o estrago está feito. Em 18/10, ao tomar um ônibus no Metrô Penha, linha 2755, além de sujar minha roupa, sujei minhas mãos também. Por que será que o administrador público não fiscaliza, não faz cumprir as normas, deixando sempre o cidadão refém dos maus prestadores de serviços públicos?

JOSÉ VIEIRA IRMÃO / SÃO PAULO

A Assessoria de Comunicação

Social da SPTrans informa que a linha reclamada pelo leitor possui dois serviços: 2755/10 e 2755/42 Guaianazes - Metrô Penha. A SPTrans diz que precisa saber qual é o serviço em questão.

O leitor diz: Não entendi

qual é a diferença. Acho que a SPTrans não faz a sua parte, que é fiscalizar. Não importa qual é linha, se num sentido ou noutro, o que importa é que os ônibus estão todos sujos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.