São Paulo reclama...

TRANSTORNO PARA RECEBER APOSENTADORIA

, O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2010 | 00h00

Nesta época em que os demagogos fazem de tudo para obter o voto, é bom mostrar como o governo (mal) trata o aposentado. Necessitando fazer a troca do cartão do benefício, depois de ter assumido o controle da Nossa Caixa, o Banco do Brasil (BB) decidiu, por sua conta, invalidar minha senha, sem aviso, impedindo-me de receber a aposentadoria deste mês em qualquer uma das agências. Tive de perder uma tarde em outra agência do BB para tentar revalidar minha senha e ainda mais 3 horas num posto do INSS para saber se, de fato, o órgão havia encaminhado meu benefício ao banco. Fui tratado com descaso. Ao que parece, o BB não sabe que há meios, como os Correios, para fazer chegar ao aposentado a informação de que tem de fazer a troca de cartão. Esse despropósito coincidiu com a greve dos bancários. Com isso, muitos aposentados não puderam receber suas aposentadorias no dia assinalado em seu cartão.

ADELTO GONÇALVES / PRAIA GRANDE

O Banco do Brasil esclarece que, no mesmo período, coincidiu de o pagamento do INSS ter gerado outro número de benefício ao cliente, o que não foi identificado no momento da tentativa de arrecadação pelo sr. Gonçalves. Por isso, o pagamento não foi localizado após atualização da senha. Informa que o pagamento já foi solucionado e pede desculpas pelos transtornos causados.

O leitor diz: O problema foi solucionado no dia seguinte, depois dos transtornos causados pelo BB. A resposta do banco dá a entender que só eu fui vítima de um erro, mas isso ocorreu com muitos aposentados.

MUDANÇA DE REGRAS?

Plano da Telefônica

Em 1.º/11/2007 aderi ao plano de minutos oferecido pela Telefônica, o Fale à Vontade. O plano ofertado dizia que eu poderia fazer ligações telefônicas locais para telefones fixos para sempre, sem a cobrança de tarifas, independentemente da operadora. Mas a Telefônica começou a cobrar pelas ligações isentas contratualmente a partir de 9/6/2010, sem prévio aviso e sem autorização contratual. Por ser de direito, exijo que a Telefônica estorne todos os valores lançados e cobrados em ligações locais de fixo para fixo a partir daquela data. Desde minha queixa na Anatel, em 13/9, fui várias vezes importunada por representantes da Telefônica. Querem a todo custo nos convencer de que o contrato prevê a cobrança da tarifa entre operadoras. Dizem que a não cobrança por quase dois anos foi mera liberalidade da empresa. O que não me foi dito pelo atendente ao vender o plano.

ROSELI APARECIDA R. MARIANO / SÃO PAULO

A Telefônica informa que não há anormalidade na linha da sra. Roseli que pudesse causar cobranças indevidas. A empresa esclareceu à cliente que, conforme previsto no regulamento do serviço, o plano Fale e Navegue à Vontade permite, por um valor fixo mensal, que seus clientes façam ligações locais gratuitas para telefones fixos da Telefônica. Permite ainda navegar à vontade, via acesso discado, pelos provedores cadastrados na rede da Telefônica.

A leitora contesta: Pedi à empresa o áudio do dia da venda do plano, para comprovar o que digo, mas a Telefônica se recusa a apresentá-lo.

TRAVESSIA PERIGOSA

Pedido de análise

Segundo explicação da CET, para a instalação de semáforo ou lombada eletrônica, é necessário um movimento de, no mínimo, 190 veículos por hora. Pela Rua Tucumã, 242, em frente à portaria principal do Esporte Clube Pinheiros, a quantidade de veículos que por ali circula, invariavelmente em velocidade incompatível com a via, alcança facilmente esse número. O fluxo de pedestres, especialmente crianças e idosos, justifica uma sinalização mais significativa. Há apenas uma suave lombada, muitas vezes utilizada como uma espécie de rampa, pois os veículos aceleram sobre ela. Apelo à CET e ao bom senso para que não se espere que algo pior ocorra.

JOHN BUCKUP JR. / SÃO PAULO

Adele Nabhan, do Departamento de Imprensa da CET, esclarece que a implantação de semáforo deve considerar critérios como geometria da via, tipo de uso do solo, polos geradores de travessia de pedestres e histórico de acidentes no local. Desta forma, esclarece que será efetuado estudo detalhado na Rua Tucumã, altura do numeral 242, levando-se em conta ainda as características do público usuário da faixa de pedestres existente, visando a avaliar a necessidade e possibilidade de implantação de semáforo no local.

O leitor diz: Espero que o estudo seja realizado com a presteza que a situação exige.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.