São Paulo reclama

DESRESPEITO NOS FINS DE SEMANA

, O Estado de S.Paulo

19 de outubro de 2010 | 00h00

Desde o dia 12/6 solicito à Prefeitura a fiscalização de um bar que fica na rua onde moro, a Marcos Lopes, Vila Nova Conceição. Todos os sábados à noite o bar "Zé Bonito" promove um show de música sertaneja ao vivo e a banda fica praticamente na calçada. O volume da música é altíssimo! Meu filho de um ano só consegue dormir depois que a música cessa. Antes eu entrava em contato com a Prefeitura quinzenalmente, até o dia 21/8, quando a atendente informou que o chamado estava concluído já que o bar havia sido fiscalizado e interditado! Mas eu via e ouvia o bar funcionando normalmente naquele mesmo dia! Ela não soube me explicar como isso era possível e abriu outro chamado. Em 25/9 a atendente informou que um fiscal visitou o local no dia 17/9, sem constatar problemas. Mas era uma sexta-feira e o show, conforme informara à Prefeitura, ocorre aos sábados.

CARLOS HENRIQUE DE MAGALHÃES FILHO / SÃO PAULO

A Assessoria de Imprensa Secretaria de Coordenação das Subprefeituras, por meio do Programa de Silêncio Urbano (Psiu), informa que o estabelecimento citado já tinha sido interditado pelo programa, por causa de excesso de ruído acima do permitido. Esclarece que outra fiscalização será programada para um sábado, conforme informações do leitor. Caso irregularidades sejam constatadas no momento da fiscalização, as devidas providências serão tomadas. Esclarecemos que o funcionamento indevido no local, após a sua interdição, poderá ocasionar a lacração do estabelecimento.

O leitor desmente: Desde que fiz a 1.ª reclamação, em 3/5, o bar tem funcionado normalmente, todos os finais de semana.

AUMENTO ABSURDO

Solução difícil

Tenho Speedy da Telefônica há mais de 2 anos. De uma hora para outra, sem nenhum aviso prévio, tiraram o desconto na cobrança de setembro. Liguei no atendimento ao cliente para verificar e fiquei surpreendido com a falta de interesse da operadora em tentar negociar um novo valor mensal, uma vez que é inadmissível o aumento do preço em 50% sem informar o cliente. Sinto-me totalmente lesado pela falta de flexibilidade e estou procurando outro provedor de serviço para acesso à internet e, então, cancelar minha conta na Telefônica.

ANDRÉ SASLAVSKY / SÃO PAULO

A Telefônica informa que tomou as providências necessárias para que o sr. Saslavsky pague o valor promocional do Speedy.

O leitor questiona: Apesar de continuar com o Speedy, o caso não foi resolvido de forma satisfatória, uma vez que tive de pagar o valor cheio em setembro, para que, a partir de outubro, recebesse desconto por mais 12 meses. Por que a atendente não ofereceu essa opção quando eu liguei, evitando que eu entrasse em contato com a Ouvidoria e com o Estadão?

SINALIZAÇÃO CONFUSA

Proibido estacionar

Depois nos falam que a indústria da multa não existe. Fui procurar um médico no Hospital Alvorada, em Moema, e saí em busca de uma vaga para estacionar o carro. Notei que haviam faixas que apontavam alterações no sistema viário e novas áreas com estacionamento proibido, portanto, estava mais do que atento para a nova sinalização. Assim, na primeira oportunidade onde havia uma placa de proibido estacionar com a palavra término, eu estacionei. No entender de qualquer pessoa alfabetizada, entende-se que era permitido estacionar após a placa. Foi o que eu fiz. Ao voltar do médico, notei que havia sido multado. Fotografei o local. Quando eu recebi a notificação da multa, entrei com um recurso com fotos e documentos, ou seja, fiz tudo para ter o meu pedido deferido. Mas ele foi indeferido e a multa foi enviada. É claro que a multa veio com a possibilidade de entrar com um novo recurso, mas o que eu tinha para recorrer eu já fiz e foi indeferido. O que mudaria agora? Se a sinalização não vale, por que está lá? Será mais uma armadilha?

MIKLOS VICTOR SZMICK / SÃO PAULO

O Departamento de Operações do Sistema Viário (DSV) informa que o próprio Auto de Infração deixa claro os dias e horários de quando é permitido estacionar na Avenida Sabiá. Diz que as fotos enviadas pelo leitor também demonstram a sinalização da via, ficando clara a proibição de estacionamento naquele endereço no horário em que ele foi autuado: às 15h56, do dia 31/5. Esclarece que a placa de proibido estacionar com a palavra término é uma sinalização complementar, ou seja, ela completa a sinalização principal que deverá ser obedecida. Diz que, se houver interesse, o leitor poderá recorrer novamente no Conselho Estadual de Trânsito. Mais informações no www.cetsp.com.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.