São Paulo reclama

PREJUÍZO SÓ DO USUÁRIO

, O Estado de S.Paulo

14 de outubro de 2010 | 00h00

Objeto no meio da estrada

No dia 4/6 tive meu veículo Corolla atingido por uma placa de madeira que estava no meio da pista da Rodovia Castelo Branco, no quilômetro 56. A placa de madeira ficou enroscada debaixo do carro, danificando o radiador, o para-choque dianteiro, a grade de proteção e a placa de identificação do veículo. No mesmo dia fiz um Boletim de Ocorrência (B.O.) e o enviei à CCR ViaOeste solicitando o ressarcimento dos danos. Em 25/8, a concessionária respondeu que o pedido era improcedente, alegando que não havia nenhum registro de objeto na pista naquele dia.

NADIA APARECIDA SANT"ANNA CARLIN / SÃO PAULO

A CCR ViaOeste responde que o processo foi analisado de forma criteriosa. Diz que não havia obra ou qualquer outro serviço sendo executado no trecho citado que pudesse contribuir com o objeto mencionado e não houve informações de outros usuários sobre objeto ou algo atípico na pista. Explica que as viaturas da concessionária cumpriram o ciclo de inspeção, que tem o intervalo máximo de 90 minutos. Responde que as ocorrências relacionadas a objetos que acabam de cair na pista e em curto espaço de tempo provocam incidentes, não caracterizam falha na prestação de serviço e negligência da concessionária, visto que foi confirmada a passagem da viatura em tempo inferior ao exigido no contrato de concessão. Acrescenta que a solicitação de ressarcimento realmente foi analisada e indeferida.

A leitora comenta: Essas alegações são passíveis de contestação. Em um lapso de segundo ocorrem acidentes e incidentes na pista. Apresentei um B.O. e ele deveria ser levado em consideração sem o reforço de queixas de outros usuários.

PROTESTO

Falta de medicamentos

O Estadão publicou a carta de Renira Cirelli (7/10) sobre a falta do medicamento Humira e o esclarecimento da Farmácia de Medicamentos Excepcionais para o problema. É difícil acreditar que o fornecimento de medicamentos de alto custo, muito bem-feito pela Secretaria de Saúde de São Paulo, seja prejudicado porque o Ministério da Saúde não os repassa em quantidade suficiente. Faço este protesto não só em meu nome, mas, tenho certeza, em nome de todos os que necessitam de medicamentos de alto custo e hoje se sentem desamparados. Tenho um filho com esclerose múltipla que precisa da aplicação de Betaferon para evitar novos surtos da moléstia. O senhor ministro da Saúde, que é médico, sabe que as pessoas que precisam desses medicamentos não podem interromper o tratamento sob risco de perderem os benefícios já conseguidos. Espero que, terminado o período eleitoral, o Ministério da Saúde volte a atender a população e, especialmente, as pessoas que necessitam urgentemente dos medicamentos de alto custo.

THEREZINHA F. N. FAGUNDES/ RIO CLARO

AES ELETROPAULO

Cobrança absurda

Desde setembro de 2009 estou com uma residência em obra, portanto, sem nenhum morador, e o valor das contas variava de R$ 29 a R$ 150. Em julho, agosto e setembro deste ano recebi cobranças absurdas, entre

R$ 2,4 mil e R$ 3,2 mil. Entrei em contato com a AES Eletropaulo e com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), colecionando vários protocolos. A Eletropaulo ficou de enviar técnicos para fazer perícia no meu relógio, mas ninguém apareceu até o dia 21/9.

JOSÉ GERALDO FALCÃO BRITTO / SÃO PAULO

A Assessoria de Imprensa da AES Eletropaulo informa que enviou uma equipe ao local e efetuará a troca do medidor, agendada com

o cliente para o dia 8/10.

O leitor diz: Recebi a visita dos técnicos da Eletropaulo, que confirmaram defeito no relógio, mas aguardo resposta sobre a suspensão das contas.

NET

Mudança sem aviso

No mês passado, entrei em contato com a NET e aumentei a velocidade da minha internet para 1 mega. Segundo o atendente, como cortesia me seria oferecido um ponto extra de TV, sem custo adicional. Mas meu plano de TV foi mudado, sem que eu tenha sido informado. Quando entro em contato, os atendentes respondem: "Infelizmente, não podemos fazer nada."

FABIO MARIN MONACO / SÃO PAULO

A NET informa que entrou em contato com o cliente e prestou os esclarecimentos solicitados.

O leitor contesta: O meu problema ainda não foi resolvido. Há mais ou menos 40 dias, a NET prometeu localizar a gravação da ligação e não retornou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.