São Paulo reclama

Transporte público-história antiga

, O Estado de S.Paulo

13 de outubro de 2010 | 00h00

Na década de 1980 utilizei o Metrô por vários anos e já naquela época havia atraso e superlotação nos vagões da Linha-Vermelha. No dia 23/9 tentei utilizar o Metrô da Estação Vila Matilde para ir à Estação do Anhangabaú. Cheguei à estação por volta das 7h10 e até as 7h35 não havia a mínima condição de entrar num dos vagões. Como solução, retornei à Estação Itaquera. Pensei que o problema estivesse resolvido, mas a composição chegou na Estação Sé às 8h28, com os vagões completamente cheios. Já atrasado para o trabalho decidi pegar um táxi. Os governantes e responsáveis esqueceram de melhorar a infraestrutura das linhas já existentes. Conclusão: a Linha Vermelha continua ruim, há superlotação e falta de segurança por um preço alto. O Metrô deveria ser um meio de transporte rápido, seguro, confortável e barato. Gastei quase 2 horas para chegar ao trabalho e, de carro, demoro um pouco mais de 1 hora e gasto menos. Fiquei no prejuízo!

ROBINSON S. REDONDO / SÃO PAULO

A Companhia do Metrô esclarece que, para atender à demanda, a

Linha 3-Vermelha põe em operação a quantidade máxima de trens que a linha comporta. Porém, durante a operação comercial podem surgir ocorrências que prejudiquem o intervalo programado. O governo do Estado, por meio da Secretaria dos Transportes Metropolitanos, informa que tem investido na extensão das linhas e na atualização tecnológica dos sistemas operacionais, equipamentos e instalações existentes. Acrescenta que a implantação de novo sistema de sinalização e controle para a operação dos trens, de última geração, permitirá reduzir o intervalo entre trens, sem abrir mão dos padrões

de segurança.

NOVELA NET

Desrespeito ao consumidor

Em fevereiro pedi o cancelado do Vírtua. No mês seguinte o aparelho foi retirado e, desde então, todas as faturas têm sido cobradas erradas. Faz 7 meses que ligo para a NET pedindo sua correção! Depois de várias reclamações informaram que seria necessário fazer uma vistoria no meu apartamento para comprovar que o aparelho não estava instalado. Um absurdo, pois na retirada dele me foi entregue uma guia com protocolo. Após agendar vistoria, um técnico ligou dizendo que encontrou o cadastro, por isso a vistoria não seria mais necessária. Mas continuo a receber cobrança errada!

ANDRÉ CINTRA / SÃO PAULO

A NET diz que entrou em contato com o sr. Cintra em 16/9, regularizando o cadastro.

O leitor contesta: Em 17/9 recebi ligação da Ouvidoria da NET informando que a situação foi regularizada, mas os problemas pioraram! É lamentável a desorganização e falta de respeito da NET com o consumidor! Recebi a fatura no dia 7/10 e, além de me cobrar o tal serviço do Vírtua, que não tenho desde fevereiro, ainda estão cobrando mais R$ 200 como "ressarcimento" pelo modem que a própria NET retirara em março!

PERDA DE BAGAGEM

Ressarcimento baixo

Viajei pela TAM para Miami, via Manaus, no dia 30/7 e retornei a São Paulo 6 dias depois. Ao chegar, soube que minha mala tinha desaparecido no trecho Manaus-São Paulo. Durante um mês liguei diariamente para o setor de bagagens, para o Fale com o Presidente, mas a TAM nunca me retornou para dar alguma satisfação. No dia 30/9 a empresa me propôs uma viagem para a América do Sul ou o reembolso, segundo leis internacionais. Percebi que, como já existe esta lei na qual pagam somente US$ 20 por quilo, eles esperam o tempo necessário de todo processo de busca e, já sabendo do desfecho, depois de 1 mês nos apresentam em definitivo uma proposta irrisória. Durante o mês após a perda fui atendida com a maior simpatia, mas hoje vejo que era para eu não perder a paciência. Depois, a empresa simplesmente passou a me ignorar. Pedi uma passagem para a Europa, que ainda não cobriria o valor perdido, mas a TAM não aceitou. A única saída que vejo é entrar com uma ação contra a empresa, onde poderei comprovar com meu cartão de crédito todos os meus valores perdidos.

MARGOT CRESCENTI / SÃO PAULO

A TAM, por meio do Fale com o Presidente, serviço de atendimento ao cliente, informa que entrou em contato por e-mail com a sra. Margot para informá-la de que, após intensas buscas, a bagagem dela não foi localizada. Sendo assim, a empresa ofereceu uma proposta de indenização em conformidade com os critérios estabelecidos pela Convenção de Montreal. Esclarece que o gerente responsável da TAM está ciente do ocorrido e vai adotar as providências necessárias para evitar a reincidência de fatos como esse.

N

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.