São Paulo Reclama

ATUAÇÃO PÚBLICA FALHA

, O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2010 | 00h00

Moradores de rua

Há algum tempo, foi "retirada" uma favela que ficava localizada próxima à Ponte Estaiada com a Av. Jornalista Roberto Marinho. Essas pessoas agora vivem ao longo da avenida. Há ainda moradores de rua entre as Ruas Antônio de Macedo Soares e Barão de Jaceguai. Muitos consomem drogas e descartam grande quantidade de lixo no local. O ponto está virando uma "minicracolândia" e é raro ver uma viatura de polícia por ali.

FLÁVIO ZULLO / SÃO PAULO

A Polícia Militar (PM) esclarece que a questão que envolve o problema das ocupações irregulares deve ser tratada sob a ótica da atuação pública com moradia, emprego e educação. Diz que o consumo de entorpecentes deve ser denunciado e que atua na região com a 1ª Companhia do 12º Batalhão de PM Metropolitano. Explica que o estacionamento de uma viatura num determinado local, por si só, não resolve o problema. Acrescenta que a PM atua dentro da lei, de forma técnica e planejada e, ao contrário do que julga o leitor, tem atuado firmemente na região. Sob a questão do consumo de drogas, cabe lembrar que a atual lei sobre entorpecentes criou a figura do "porte de droga para consumo pessoal", cujas penas se restringem a: advertência sobre os efeitos das drogas; prestação de serviços; e

medidas educativas. O resultado é que muitos dos dependentes químicos detidos regressam ao local logo após registro de B.O.

A Secretaria de Assistência Social não respondeu.

O leitor comenta: O problema não foi resolvido. Deu-me a impressão de a PM dizer que "isso não é mais comigo". É preciso e falta atuação pública, sim.

BAIRRO ABANDONADO

Assaltos constantes

É um tremendo absurdo a que somos submetidos. Nesta semana, em 4 dias, tivemos 2 arrastões na hora do almoço na região da Chácara Santo Antonio, zona sul. Um na Rua Professor Jamil Anderaós e o outro na Rua Paul Valéry. A região já passou por esses problemas anteriormente, mas com a circulação de viaturas os assaltos cessaram. Parou a circulação de policiais e os assaltos estão por aqui amedrontando o povo que precisa trabalhar! Precisamos de ajuda!

GLÁUCIA REGINA CERQUEIRA / SÃO PAULO

Peço a ajuda dos veículos de comunicação, pois a Polícia Militar do Estado não faz questão de ouvir a simples voz do cidadão e contribuinte. Diversos delitos, como assaltos a mão armada, roubo de veículos e outros delitos estão ocorrendo frequentemente no bairro Chácara Santo Antonio, região de Santo Amaro. No dia 13/9, uma segunda-feira, motoqueiros fizeram uma espécie de arrastão na Rua Prof. Jamil Anderaós, roubando todas as pessoas que passavam por ali na hora do almoço. No dia 16/9, três colegas de trabalho foram assaltados na Rua Paul Valéry, tendo seus celulares levados. Por se tratar de um bairro com várias empresas, o movimento no horário comercial é muito grande e os bandidos se aproveitam disso para agir. Essa é uma prática comum neste bairro, mas por um bom tempo a Polícia Militar conseguiu coibir esse tipo de delito por aqui, o que não ocorre mais. Já fizemos diversas

solicitações para a Polícia Militar, mas não vemos uma atitude concreta.

HENRIQUE CONSORTE / SÃO PAULO

SEM SERVIÇO BÁSICO

Haja paciência

Após modificar as instalações da minha casa com aquecedores, chuveiros e conexões adequados para atender às especificações da Comgás, recebi a visita de funcionários da companhia que constataram, após vistoria, que tudo estava correto para efetuar a ligação. Em 29/1, foi firmado uma contrato garantindo que, num prazo de 45 dias úteis (vencido em 1.º/4), o

ramal seria instalado na residência. Mas até o dia 12/8 nada foi feito. Já telefonei reiteradas vezes para a companhia, já reclamei outras tantas vezes na Ouvidoria. Marcam um novo dia para a ligação, deixo uma pessoa disponível em casa para receber os funcionários da Comgás e ninguém aparece. Continuo esperando uma solução satisfatória.

FLÁVIA CASTRO / SÃO PAULO

A Assessoria de Imprensa da Comgás informa que a construção do ramal no endereço da sra. Flávia foi executada no dia 2/9, e a ligação de gás foi agendada para o dia 8/9. Ressalta que o processo de ligação de clientes da Comgás envolve uma série de atividades que são operacionalizadas por meio do novo sistema de atendimento, que está em fase de estabilização. A empresa pede desculpas pelos transtornos causados.

A leitora corrige: O serviço só foi concluído no dia 13/9.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.