São Paulo reclama

NOTA FISCAL

, O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2010 | 00h00

Empresa recusa emissão

No dia 27/4 comprei passagem e hospedagem pelo site da Americanas Viagens. A viagem foi realizada do dia 3 ao dia 10 de agosto. Após o retorno, no dia 17/8, solicitei pela central de atendimento do site uma nota fiscal de minha compra, pois precisava prestar contas. Informaram que a nota fiscal me seria enviada em até 5 dias úteis. Como não a recebi até o dia 30/8, entrei novamente em contato com o site. Falei com uma atendente, que me informou que o voucher da viagem, enviado por e-mail, com informações sobre a passagem e sobre o meu cartão de crédito, sem nenhum número fiscal, era o recibo que a Americanas Viagens fornecia. Como isso não procede com as recomendações da Receita Federal, pedi para falar com a supervisora. Após muito tempo de espera ao telefone, a supervisora atendeu e disse que não podia emitir nota fiscal. Explicou que se trata de uma agência de viagens que intermedeia a compra da passagem e da estadia com as empresas. Porém, nos dados do meu cartão de crédito, as informações de pagamento vêm como "Americanas Viagens". Se eles recebem dinheiro do cliente, por que não fornecem nota fiscal? No hotel, disseram que não podiam emitir a nota fiscal, pois a compra fora feita pela Americanas, e não por mim, e só quem poderia solicitar esse documento seria aquela empresa. Nesse mesmo dia recebi um e-mail da supervisora, em que ela demonstra que não entendeu o que solicitei, uma vez que fala sobre Nota Fiscal Paulista, e eu havia pedido só a nota fiscal sobre os serviços realizados pela Americanas Viagens.

HELOÍSA GARCIA CLARO / SÃO PAULO

A Equipe Americanas e a Secretaria da Fazenda não responderam.

SABESP

Vazamento de esgoto

Desde o final de julho há um problema de vazamento de esgoto, que corre pela calçada da Rua Jacques Félix, número 314, no bairro Vila Nova Conceição. Foi feita uma inspeção interna no local e foi apurado que o problema é da rede externa, ou seja, de responsabilidade da Sabesp. Apesar das inúmeras solicitações de moradores, inclusive na Ouvidoria da empresa, nada foi feito. A concessionária até chegou a enviar funcionários ao local, mas eles não puderam realizar o serviço, alegando que dependiam da autorização do Departamento de Operação do Sistema Viário (DSV) para interdição de parte da rua, dentre outras desculpas. Porém a cada dia o problema se tem agravado, tornando a vida dos moradores insuportável por causa do mau cheiro, sem falar no risco à saúde de todos que passam por essa rua. Até quando a Sabesp vai ficar inerte a essa situação?

SEBASTIÃO PEREIRA / SÃO PAULO

O superintendente da Unidade de Negócio Centro da Sabesp, Francisco José F. Paracampos, informa que foi executado, em 29/8, o conserto do ramal de esgoto e a reposição da capa asfáltica foi feita em 31/8. Conclui que a situação está regularizada.

O leitor confirma: O problema foi solucionado, já que a Sabesp trocou a tubulação de esgoto da rua.

TVA

À espera do reembolso

A TVA não cumpre com seus acordos. Tive assinatura de TV e banda larga durante dois anos. Precisei aumentar a velocidade da banda larga e me

informaram que isso me custaria quase R$ 100 adicionais.

Liguei duas vezes para tentar

negociar, pois não fazia sentido um aumento de R$ 19,90 para

R$ 119,90. Enfim, desisti, liguei para um concorrente e percebi que faria o upgrade e continuaria pagando o mesmo que pago para a TVA. Por isso, cancelei minha assinatura com essa empresa em julho. Desde então passei a receber inúmeros telefonemas de funcionários da TVA tentando resgatar o acordo. Para piorar, foi debitada indevidamente a mensalidade de agosto, que, por infelicidade, estava em débito automático. Prometeram fazer o estorno até o dia 23/8, mas não o fizeram. Liguei novamente e disseram que o fariam até 27/8, mas nada foi feito até hoje.

MIRIAM SANGER / SÃO PAULO

A TVA informa que entrou em contato com a cliente e esclareceu a situação. A devolução do valor será feito em até 10 dias úteis. A TVA lamenta o ocorrido e informa que a assinatura foi cancelada, não havendo qualquer débito do cliente com a empresa.

A leitora diz: O problema ainda não foi solucionado. De fato, funcionários da TVA ligaram dizendo que o dinheiro seria devolvido em até 10 dias. Mas, como é a terceira promessa, não posso considerar solucionada a questão - acho que eles deveriam me indenizar por debitar indevidamente a mensalidade e ainda demorar 60 dias para devolver meu dinheiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.