São Paulo reclama

UMA CRÍTICA

, O Estado de S.Paulo

19 de agosto de 2010 | 00h00

Ruas da capital

Nasci e moro em São Paulo. A cada dia fico mais indignado com as condições das ruas da capital. A baixa qualidade do asfalto é visível, como também o péssimo serviço de recapeamento feito pelas empresas que vencem os processos de licitação. Elas fazem o trabalho de tal maneira que é necessário refazê-lo tempos depois. Outro problema é a falta de sincronização dos semáforos e o péssimo estado deles.

SERGIO MANTOVANI / SÃO PAULO

A Secretaria de Coordenação das Subprefeituras, por meio da Superintendência das Usinas de Asfalto (SPUA), responde que o asfalto produzido segue as normas e os padrões estabelecidos por órgãos técnicos, especialistas em pavimentação, que monitoram e analisam todo o processo. Esclarece que o maquinário da usina é integralmente computadorizado para garantir um produto de primeira qualidade. Informa que a superintendência tem um manual técnico de procedimentos para os serviços de tapa-buracos, capeamento e recapeamento das ruas da capital, que é usado por todas as empresas e concessionárias que prestam esses serviços, fazendo-os dentro dos padrões exigidos. Diz que quem cuida das condições dos semáforos é a CET.

A CET não respondeu.

HAJA PACIÊNCIA

Dois dias com 336 horas

Estou enfrentado uma via-crúcis para obter a religação da energia elétrica de um apartamento que eu havia alugado. Quando encerrei o contrato com a antiga locatária, ela tomou as providências necessárias com a AES Eletropaulo para descaracterizar sua responsabilidade pelo pagamento das contas. Agora, assinei um contrato com novos inquilinos e preciso reformar um dos banheiros do imóvel antes de entregar-lhes as chaves. Entretanto, desde o dia 26/7 comecei a "colecionar" números de protocolo de atendimento - já são oito. Apesar das promessas de religação em 48 horas, nada foi resolvido. Depois de inúmeras reclamações, resolvi ligar para a Ouvidoria da concessionária. Fui informado de que equipes estiveram no local e não encontraram ninguém para atendê-las. Em 2/8, o porteiro garantiu que nenhuma equipe da AES Eletropaulo esteve no imóvel. Liguei para o responsável pela administração do prédio e ele confirmou que sempre há alguém na portaria. É lamentável a empresa responder inverdades para justificar a sua ineficiência. Enquanto a religação não é feita, a reforma não pode ser concluída e eu corro o risco de não ter o imóvel em boas condições para receber os novos locatários.

PAULO VAN DEURSEN / SÃO PAULO

A AES Eletropaulo informa que a religação de energia elétrica foi realizada no dia 9/8.

O leitor comenta: A religação foi feita, mas em vez de fazer o serviço em 48 horas, conforme prometido, a AES Eletropaulo demorou cerca de 336 horas para concluí-lo. Afinal, há uma "pequena" diferença entre dois dias e duas semanas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.