São Paulo Reclama

PERIGO NA REDE ELÉTRICA

, O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2010 | 00h00

Galhos entrelaçados

Desde dezembro de 2009, quando me mudei para a casa onde resido, reclamo à Prefeitura de uma árvore que fica em frente a ela, na Rua Valdomiro Fleuri, no Butantã. Ela está entrelaçada aos fios de alta-tensão e, quando chove, percebi que saem faíscas. Liguei para a AES Eletropaulo, que informou que a poda ou corte de árvore é de responsabilidade da Prefeitura. Já o funcionário da Prefeitura que me atendeu pelo 156 disse que eu deveria entrar em contato com a AES Eletropaulo.

Durante a temporada de chuvas, essa árvore pegou fogo por duas vezes, mas, por sorte, ele se apagou sozinho. Já liguei até ao Corpo de Bombeiros, mas os policiais disseram que também não podiam fazer nada.

MICHEL NEUHAUS / SÃO PAULO

A Secretaria de Coordenação das Subprefeituras responde que a Subprefeitura Butantã encaminhou um ofício a AES Eletropaulo solicitando apoio na realização do serviço, pois é necessária a paralisação do funcionamento da rede elétrica na região para que não haja riscos aos funcionários.

A AES Eletropaulo esclarece que a poda de árvores é realizada pela Prefeitura municipal. Diz ainda que a concessionária efetua somente a poda de galhos que interferem na rede elétrica, quando é autorizada pela Prefeitura. A distribuidora informa que até o momento não recebeu ofício da Prefeitura solicitando o apoio na poda dos galhos da árvore mencionada.

O leitor diz: Até o momento nenhuma providência foi tomada para solucionar o problema.

PRAÇA CIDADE DE MILÃO

Moradores insatisfeitos

Há algum tempo, alertei a Prefeitura a respeito do estado de algumas árvores na Praça Cidade de Milão, em Moema, vizinha ao Parque do Ibirapuera. Mas, em maio, em vez de podá-las, a Prefeitura começou a arrancá-las. Esses eucaliptos são cinquentenários e foram plantados em 1927. Nós, moradores, esperávamos que apenas as árvores em desequilíbrio fossem podadas e algumas comprometidas, removidas. Mas estão derrubando árvores saudáveis com mais de 30 metros de altura! Tudo com o pretexto de alargamento das calçadas e construção de uma pista de cooper.

WALTER COSTA / SÃO PAULO

A Secretaria de Coordenação das Subprefeituras esclarece que a Praça Cidade de Milão, com 22 mil metros quadrados, próxima ao Parque do Ibirapuera, está em processo de reforma, numa ação conjunta entre a Subprefeitura Vila Mariana e a Secretaria do Verde e Meio Ambiente, que prevê a recuperação dos pisos e do passeio, troca de todo o mobiliário, retirada do gradil e plantio de novas espécies arbóreas. Diz que o plano de manejo dos grandes eucaliptos existentes no local já começou, inclusive, com a remoção principalmente daqueles que apresentam sinais de risco de queda, que serão substituídos por nova arborização com exemplares da nossa região.

O leitor contesta: A Prefeitura está derrubando árvores sãs e deixando as que apresentam risco de queda. Outro problema é a retirada do gradil, que deixou a praça vulnerável à ação de bandidos. O sr. Costa informou à Coluna que entrou com uma representação no Ministério Público Estadual e conseguiu com que a obra fosse paralisada até que sejam concluídos os estudos sobre as árvores.

MÁS CONDIÇÕES

Rodovia Régis Bittencourt

Terça-feira, dia 13/7, às 20 horas, uma chuva ofuscava o para-brisa do carro, enquanto minha família e eu viajávamos pela Rodovia Régis Bittencourt, de São Paulo para Iguape. A velocidade do trânsito não passava de 20 km por hora. No posto de pedágio, das 12 cabines, apenas 2 funcionavam. O preço do pedágio é imoral, pois a rodovia não está em boas condições. Quando será feita a duplicação?

ANTONIO ROCHAEL JR. / IGUAPE

A Autopista Régis Bittencourt, concessionária do Grupo OHL que administra a BR-116 de São Paulo a Curitiba, esclarece que as obras de duplicação do trecho da Serra do Cafezal foram iniciadas no mês passado, com intervenções nas duas extremidades do trecho,

nas regiões de Juquitiba e Miracatu. Diz que a duplicação das duas extremidades deverá ser concluída até o final de 2011. Esclarece que a concessionária segue o cronograma de obras estabelecido no Programa de Exploração Rodoviária (PER) e ele é cumprido integralmente. Sobre as cabines do pedágio, informa que o contingente é capacitado para atender ao tráfego previsto, de forma a interferir o mínimo possível em sua fluidez, além de reforçá-lo nos feriados, quando o movimento de veículos é maior.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.