São Paulo Reclama

OBJETOS FURTADOS EM VIAGEM

, O Estado de S.Paulo

14 de agosto de 2010 | 00h00

Sempre verifique sua mala

Viajei com minha mulher e filha para Miami. Quando retornamos, não percebemos que as malas estavam arrombadas. Só notamos o furto ao abri-las em casa. Entramos em contato com a TAM, porém, a companhia diz que não pode fazer nada porque a queixa foi feita após a retirada das malas do aeroporto.

FABIANO VIANNA / RIO DE JANEIRO

A TAM reitera que as companhias aéreas só podem abrir processos de irregularidade de bagagem caso a notificação seja feita no próprio aeroporto. Salienta que a retirada da bagagem sem qualquer manifestação por parte do cliente pressupõe o seu bom estado.

Análise: É difícil caracterizar o roubo sem que o cadeado tenha sido violado. O seguro de bagagem só cobre o extravio da mala, e não furtos de objetos. Deve-se verificá-la ainda no aeroporto. Se o leitor tivesse percebido a violação antes de deixar o aeroporto, poderia ter feito o Registro de Irregularidade de Bagagem (RIB). Para evitar transtornos, sempre declare o conteúdo de sua mala. Muitas empresas cobram uma taxa por essa declaração e pedem para verificar se o conteúdo declarado está de acordo com o da bagagem. Com esse documento em mãos, é mais fácil exigir o ressarcimento do que foi perdido. Evite transportar objetos valiosos e, caso não possa evitar, leve-os na bagagem de mão. Itens caros que não foram declarados são mais difíceis de comprovar que foram furtados. Os aeroportos brasileiros são administrados pela Infraero e o leitor deve enviar uma carta para que a empresa conheça o problema e tome providencias para que os viajantes não saiam no prejuízo.

Maria Inês Dolci é coordenadora institucional da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Pro Teste)

PACIENTE DE 86 ANOS

"Esquecida" por uma hora

A paciente Ethel Mansur, de 86 anos, com quadro clínico de obesidade mórbida e com escaras pelo corpo ficou internada no Pronto-socorro (PS) do Complexo Hospitalar do Mandaqui por quase uma semana. No dia 5/8, ela foi transferida para o Hospital Sorocabano, na Lapa. Porém, ficou dentro da ambulância, estacionada no

pátio, por mais de 1 hora, sentindo dores e com frio. Depois ela foi transportada de volta ao PS Mandaqui. Onde está o bom senso?

SANDRA DE SOUZA LIMA / SÃO PAULO

O Complexo Hospitalar do Mandaqui esclarece que solicitou a transferência da paciente para uma vaga de apoio, pois mesmo sendo um caso de risco, o acompanhamento necessário é de uma complexidade menor da qual o Mandaqui é referência. Diz que o complexo hospitalar oferece atendimento de alta complexidade e é referência para casos de traumas. Informa que apesar de o Hospital Sorocabano ter cedido uma vaga à paciente, ao tomar conhecimento e avaliar o caso, não aceitou interná-la. Por isso, explica, o Mandaqui voltou a recebê-la e continuou com o tratamento. Informa que o Hospital Sorocabano não é uma unidade estadual. Acrescenta que a paciente tem obesidade mórbida em um grau elevado e sofre

de diversas comorbidades. Responde que a sra. Ethel tem erisipela e insuficiência renal e todo o tratamento necessário está sendo feito.

NÃO AGRADOU A TODOS

20% estão insatisfeitos

Sou morador da Vila Mascote, na zona sul, e minha residência fica próxima ao novo corredor de ônibus Diadema-Brooklin. Minha mulher trabalha a 3 quilômetros de distância de casa e o trajeto, que era de 10 minutos em horário de pico, passou para 45 minutos. Parece que não há nenhuma inteligência por trás desse tipo de projeto, que é mais uma obra eleitoreira. A obra prejudicou mais o cidadão do que o ajudou.

DANILO LAZARO / SÃO PAULO

A Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU/SP) informa que a extensão Diadema-São Paulo (Morumbi-Berrini) do Corredor ABD, é uma importante ligação entre as regiões leste e sudoeste da Grande São Paulo (região do ABCD e capital) e atende, em média, 85 mil passageiros por dia com as linhas municipais, da SPTrans, e metropolitanas, da EMTU/SP. Explica que o traçado do corredor foi definido com base em estudos sobre origem e destino dos passageiros dos ônibus metropolitanos. Informa ainda que, com essa nova extensão, o tempo de viagem nas linhas que operam de Diadema à Berrini/Morumbi foi reduzido em cerca de 20 minutos, passando de 50 para 30 minutos. Acrescenta que pesquisas de satisfação com passageiros indicam aprovação acima de 80%. Esclarece que a adoção de corredores exclusivos de ônibus, tanto municipais quanto metropolitanos, atende às necessidades de melhorias no fluxo do transporte coletivo, em benefício de milhares de pessoas e organização do trânsito, além de colaborar para a redução de emissão de poluentes, já que os ônibus andam com maior velocidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.