José Patrício/AE
José Patrício/AE

São Paulo começa mudança de sistema do bilhete único depois de falha

Após suspeita de fraude, plano é definir até junho empresa que fará troca por R$ 276 milhões

Bruno Ribeiro, Rodrigo Brancatelli e Rodrigo Burgarelli, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2012 | 22h32

SÃO PAULO - A Prefeitura de São Paulo já começou o processo para troca de sistema do bilhete único do transporte coletivo. Se os prazos legais forem respeitados, a empresa que vai fazer a mudança será definida até o fim do semestre. Uma falha de segurança nos cartões permite fraudes nas catracas de ônibus e do Metrô, conforme o Estado mostrou em reportagem publicada em 13 de fevereiro.

O edital para a troca dos sistemas, sob responsabilidade da São Paulo Transportes (SPTrans), foi aberto para consulta pública na semana passada. A licitação para a mudança no sistema deverá custar cerca de R$ 276 milhões. A maior parte dos recursos vai para os serviços da central de processamento de dados - a empresa contratada terá de fornecer servidores, bancos de dados e conexão para o Metrô, internet, garagens e terminais, além de fazer toda a migração do sistema antigo para o novo.

Além disso, R$ 56 milhões serão necessários para comprar as licenças de softwares e desenvolver aplicativos próprios para operar o processamento do bilhete único. O preço de manutenção e operação do sistema por cinco anos - prazo máximo permitido por lei - também foi incluído na licitação.

Segundo as informações do edital, esse etapa tem de ser cumprida antes de a Prefeitura iniciar seu projeto de substituir todos os cartões de bilhete único ativos na cidade - a estimativa é de que eles somem 25 milhões de unidades.

Problema. Há duas semanas, o Estado revelou que uma falha de segurança no atual sistema do bilhete único permite a liberação de catracas de ônibus, trens e metrô sem pagamento de passagem. A falha foi descoberta pelo pesquisador Gabriel Lima, de 21 anos.

Sócio da empresa de segurança Pontosec, da Vila Romana, na zona oeste, ele decidiu testar a segurança do bilhete único após saber de fraudes parecidas ocorridas em outros países. Três semanas depois, descobriu que era possível invadir o sistema. E avisou a SPTrans sobre o problema.

A falha permite que os dados sobre créditos contidos no cartão sejam copiados para um computador. Quando o cartão está vazio, essas informações podem ser coladas novamente no novo bilhete - o que, na prática, permite que um cartão sem saldo seja usado para liberar as catracas.

No edital colocado para consulta pública, a SPTrans não menciona que o atual sistema do bilhete único está sujeito a fraudes. O texto afirma que "é natural" a mudança no sistema, que já tem sete anos.

Em nota, a SPTrans diz que a "licitação para troca dos sistemas de processamento de dados do bilhete único não tem qualquer relação com a suposta violação de segurança dos cartões". Informa ainda que a licitação está sendo realizada desde dezembro - a audiência pública foi feita em 5 de janeiro.

A empresa diz também que, se o processo transcorrer dentro da normalidade, a troca dos cartões deve começar no início do ano que vem.

Investigações. O Ministério Público Estadual investiga a falha de segurança nos cartões. Em depoimento na sexta-feira, o pesquisador Lima relatou ao promotor Valter Foleto Santin, secretário da Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público e Social, que técnicos da SPTrans confirmaram a ele a fragilidade do sistema.

Já a SPTrans não dá informações sobre a apuração interna do caso: "As investigações da suposta fraude ainda estão em curso, dentro do prazo inicial de 30 dias", diz a empresa.

Bilhete USP. No primeiro dia de uso do Bilhete USP (Busp), alguns alunos e funcionários da Cidade Universitária, na zona oeste, não conseguiram usar o cartão nas duas linhas da São Paulo Transporte (SPTrans) criadas para substituir os circulares do câmpus. Funcionários disseram que uma parte dos cartões deverá ser substituída.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.