São Luís do Paraitinga recupera seus santos

Iphan restaura 16 imagens sacras encontradas em ruínas de igrejas

, O Estado de S.Paulo

26 de novembro de 2010 | 00h00

A primeira fase de recuperação do que restou da Igreja Matriz de São Luís do Paraitinga, destruída na enchente do início do ano, será concluída na próxima segunda-feira com uma missa no terreno do templo. A cerimônia vai ser marcada pela entrega de 16 imagens sacras completamente restauradas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Entre elas, está a Nossa Senhora das Mercês e São Luiz de Tolosa, padroeiro da cidade.

Com a chuva, todos os santos da Igreja Matriz e da Igreja da Nossa Senhora das Mercês foram espalhados pela parte histórica da cidade. O processo de restauro exigiu um trabalho de 10 meses - depois de um longo processo para encontrar o maior número possível de material, quase como um quebra-cabeça, foi feita a higienização e limpeza das peças, a colagem de pedaços quebrados, a repintura e a aplicação de verniz. Para se ter ideia da dificuldade da tarefa, a imagem de Nossa Senhora das Mercês foi quebrada em 92 pedacinhos.

Com o fim dos trabalhos de recuperação do terreno das Igrejas Matriz e Nossa Senhora das Mercês, a reconstrução dos dois templos deverá começar tão logo saia o aval do Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat). O trabalho minucioso de resgate das peças sacras e o extenso levantamento documental produzido a respeito dos monumentos permitirá fiel reprodução das igrejas. No terreno da Igreja Matriz foram resgatadas 598 peças sacras, além de cerca de 313 mil tijolos e todos os pedaços do forro - o investimento total no restauro das peças sacras retiradas dos escombros das Igrejas Matriz e das Mercês foi de R$ 330 mil.

Desastre. A inundação que atingiu a cidade em janeiro foi a maior desde 1930. O Rio Paraitinga subiu dez metros, arrastando casarões históricos e a estrutura das duas igrejas. A etapa inicial constituiu no salvamento do que restou das edificações e das peças santas. No meio das ruínas e da lama, objetos foram retirados manualmente para evitar mais danos. As colunas que restaram foram estancadas para impedir desabamentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.