'São 2 diárias de hotel, 4 passagens de avião e várias corridas de táxi'

Viajantes de outros Estados reclamam dos gastos com hospedagem e da perda de tempo e dos dias de trabalho

NATALY COSTA, O Estado de S.Paulo

10 Abril 2012 | 03h04

É caro, o agendamento pode demorar meses, não fica garantido e as filas são maçantes. Quem mora fora de Rio, Brasília, São Paulo e Recife precisa até viajar. Mesmo com todas essas dificuldades que envolvem conseguir um visto americano, 1,5 milhão de brasileiros visitaram os Estados Unidos em 2011. Com dois consulados a mais no País, a tendência é de que esse número cresça.

"A gente trabalha com um aumento bem conservador - de 15% a 17% - no número de brasileiros que vão viajar aos Estados Unidos neste ano. Mas tudo indica que nossa estimativa será superada muito antes do fim de 2012", afirma o vice-presidente da US Travel, Luiz Moura.

A reativação do posto de Porto Alegre vai atender a Região Sul, que hoje viaja principalmente para São Paulo quando precisa tirar visto americano. Em Belo Horizonte, além de atender uma região metropolitana de 4 milhões de habitantes, cria-se uma nova opção para quem mora no Espírito Santo e no interior da Bahia.

"Neste ano mesmo, eu tenho de renovar meu visto e vou precisar ir para São Paulo. Quero ir em junho, mas ainda não abriram a agenda para aquele mês", diz a psicóloga Karla Miranda, que mora em Belo Horizonte. "Além do gasto com passagem, alimentação e hospedagem, é um tempo perdido. Quem trabalha tem de pedir folga, é muito ruim", ressalta.

No caso de Roger Moreira, administrador de empresas de Porto Alegre, os gastos serão quatro vezes menores: ele costuma viajar com a mulher e os dois filhos adolescentes e a ida da família para uma outra cidade só para tirar o visto sempre sai cara. "São pelo menos duas diárias em hotel, quatro passagens de avião e várias corridas de táxi. Imagine ir de carro da minha casa, tirar o visto e voltar? Vai ser o paraíso", acredita.

Viagem perdida. Por causa da distância - e do planejamento que envolve uma viagem - entre Florianópolis e São Paulo, o publicitário Diego Moreau já deixou de viajar para Nova York com a mulher e os amigos. "Não consegui me organizar para tirar o visto a tempo e perdi a viagem. O fato de o consulado ser em São Paulo furou nosso passeio", conta. "Em Porto Alegre, fica mais fácil e barato."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.