Santuário em Ilhabela está poluído por esgoto

Um dos locais preferidos pelos mergulhadores, a Praia das Pedras Miúdas foi prejudicada pelas chuvas na cidade, que levaram resíduos para o mar

Reginaldo Pupo, O Estado de S.Paulo

06 Fevereiro 2011 | 00h00

Um santuário ecológico marinho em Ilhabela, litoral norte de São Paulo, está ameaçado. A tranquila Praia das Pedras Miúdas, na frente da Ilha das Cabras, ao sul do arquipélago, está poluída por esgoto, segundo análise feita nas últimas cinco semanas pela Companhia de Saneamento Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb).

Turistas e praticantes de mergulho que costumam frequentar a praia se espantam ao notar a bandeira vermelha da estatal, indicando que o mar está impróprio para banho. Mesmo assim, muitos ignoram o alerta.

A gerente do Setor de Águas Superficiais da Cetesb, Cláudia Lamparelli, diz que a bandeira vermelha reflete resultados de mostras coletadas nas últimas cinco semanas. "As análises foram feitas no réveillon e na semana seguinte, período em que o litoral norte sofreu com constantes chuvas." As chuvas agravam o problema, pois levam para o mar objetos, resíduos de lavagens e esgoto.

A praia e o entorno da Ilha das Cabras são a meca do mergulho autônomo e profissional no litoral paulista. O sorveteiro Jovino Bandeira, de 75 anos, que veio do Sul do País para trabalhar em Ilhabela, confirma que a bandeira está fincada na areia há mais de um mês. "Comecei a trabalhar aqui dia 4 de dezembro. Desde então, a bandeira vermelha está aí. Acho que esqueceram de retirar."

Morador de São Paulo, o advogado Silas Ferreira Castro, de 35 anos, deu meia volta quando viu a bandeira imprópria. "Sempre frequento esta praia e nunca vi bandeira vermelha aqui." Comerciantes evitam falar sobre o assunto. Os poucos que se arriscam pedem para não ser identificados.

Previsão. Cláudia avisa que o problema deve se agravar nas próximas semanas. Na última quarta-feira, Ilhabela foi atingida por um temporal que inundou alguns bairros. De acordo com o último boletim de balneabilidade da Cetesb, das 13 praias analisadas na cidade, seis estão impróprias. E o número deve aumentar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.