Divulgação/Corpo de Bombeiros
Divulgação/Corpo de Bombeiros

Santos libera acesso de caminhões à margem direita do porto

Área foi bloqueada por causa de incêndio em tanques; Polícia Civil investiga causas do acidente

Luiz Alexandre Souza Ventura, Especial para o Estado

11 Abril 2015 | 13h51

SANTOS - O acesso de caminhões à margem direita do Porto de Santos foi liberado às 13 horas deste sábado, 11, exclusivamente pelo Viaduto da Alemoa (Dr. Paulo Bonavides), no km 64 da Rodovia Anchieta, segundo a Prefeitura de Santos. A área estava interditada desde o começo do incêndio no pátio da Ultracargo/Tequimar, no dia 2.

Conforme decisão do comitê de integração formado na cidade - com representantes dos governos municipal, estadual e federal -, em reunião realizada nesta manhã, os veículos pesados estão autorizados a trafegar pela Avenida Engenheiro Augusto Barata, chamada de Reta da Alemoa, apenas para entrar no porto.


A saída será feita pela Rua Senador Cristiano Ottoni até as 5 horas desta segunda-feira, 13. O tráfego será interrompido até 8 horas e os caminhões ficarão parados em bolsões. O mesmo esquema será repetido entre 17h e 20h. De acordo com a administração santista, nestes dois horários o movimento de carros que deixam a cidade em direção a São Paulo, e que fazem o caminho contrário, é mais intenso.

O Corpo de Bombeiros anunciou nessa sexta-feira, 10, o fim do incêndio nos tonéis da Ultracargo e, segundo o comandante dos bombeiros do Estado de São Paulo, coronel Marco Aurélio Alves Pinto, a área, que faz parte do complexo industrial da Alemoa, foi considerada segura, após oito dias de combate às chamas.

Com o fim dos trabalhos dos bombeiros, a Policia Civil intensificou as investigações sobre as causas do acidente. O Ministério Público Estadual (MPE) também instaurou inquérito. E a Prefeitura de Santos criou uma comissão para auxiliar nas apurações.

Mais conteúdo sobre:
santos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.