JOSÉ PATRÍCIO
JOSÉ PATRÍCIO

Santos espera número recorde de turistas neste réveillon

Medo de falta d´água e preços mais caros fizeram turistas desistirem de cidades menores, como Praia Grande e Guarujá

Diego Zanchetta, O Estado de S. Paulo

30 Dezembro 2014 | 23h00

SÃO PAULO - Com 16 minutos de queima de fogos, a segunda maior do País, Santos, no litoral paulista, espera receber nesta quarta-feira, 31, mais de 1 milhão de turistas, recorde na história da cidade de 434 mil habitantes. O medo de um colapso no abastecimento de água nos balneários vizinhos, como no Guarujá e em Praia Grande, e preços mais em conta nas diárias de hotéis levaram milhares de turistas a optarem pela maior cidade da Baixada Santista, segundo órgãos de turismo, sindicatos de hotéis da região e veranistas paulistanos.

Quem mora ou frequenta Santos há muitos anos já tem notado um movimento acima da média de turistas na cidade desde o Natal. A impressão também foi detectada em números pela Prefeitura: pontos turísticos como o Museu do Café, o Aquário, o Museu Pelé e o Orquidário registraram um aumento médio de quase 30% no movimento.


Entre os dias 24 e 28, a Ecovias, concessionária responsável pelo Sistema Anchieta-Imigrantes, também registrou um acréscimo de 26,3% no fluxo de veículos na direção de Santos – 171.600, ante 135.979 no mesmo período do ano passado.

A insegurança em cidades menores do litoral também pesou na decisão de quem optou por Santos neste ano, apesar de a cidade não ter as praias mais disputadas da região. “E aqui também tem menos trânsito para chegar. Para chegar até Praia Grande sempre é difícil o acesso nessa época”, afirma Regina Franco, de 44 anos, paulistana da Vila Prudente, na zona leste.

Nos três anos anteriores, Regina passou a virada na Praia da Enseada, no Guarujá. Ontem, estava hospedada em um hotel no Boqueirão, em Santos. Ela conta ter decidido no fim de novembro trocar a cidade onde costumava passar as férias. “Roubaram meu celular ao lado da feirinha de Pitangueiras, no ano passado. Fiquei muito assustada. Aqui já deu para ver que tem mais polícia nas ruas.”

“Ampliar a segurança da cidade também foi o grande desafio para esta temporada. Aumentamos de 180 para 360 o número de câmeras de monitoramento”, afirma o prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa (PSDB). Ele garante que não existe risco de falta de água durante a temporada.

Show pirotécnico. A distância menor de Santos em relação à capital paulista (55 quilômetros, ante 76 do Guarujá, por exemplo) também pesou na decisão de turistas que temiam passar horas na Rodovia Cônego Domenico Rangoni (Piaçaguera). Para a virada deste ano, Santos vai ter o segundo maior show pirotécnico embarcado do País, com 19 toneladas de fogos disparados de dez balsas no mar. A expectativa é de que o show dure 16 minutos. O maior réveillon do Brasil será em Copacabana, com 29 toneladas de fogos e duração de 16 minutos.

A rede hoteleira de Santos, com 3.500 vagas, já tinha ontem quase 100% de ocupação. O governo montou cinco arenas na orla, que vão ter shows e apresentações de DJs durante a madrugada. “O Guarujá está sempre lotado, independentemente de preços. Mas Santos realmente tem diárias mais em conta e isso atraiu mais turistas. O público dos navios atracados também está descendo para conhecer a cidade”, aponta o vice-presidente do Sindicato de Hotéis da Baixada Santista (SinHoRes), José Lopez Rodriguez.

Mais conteúdo sobre:
santos réveillon

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.