ALBERTO MARQUES/A TRIBUNA DE SANTOS
ALBERTO MARQUES/A TRIBUNA DE SANTOS

Santos desligará 75% das duchas

Chuveirinhos da orla terão restrição a partir de março, quando procura pelos equipamentos diminui, pois turistas e mesmo moradores vão menos à praia

Zuleide de Barros, ESPECIAL PARA O ESTADO

12 Fevereiro 2015 | 23h00

SANTOS - A prefeitura de Santos vai desligar 75% dos chuveirinhos que ficam na orla das praias da cidade, a partir de março. O objetivo é economizar água e evitar o desperdício observado fora da temporada, quando a procura pelos equipamentos diminui, uma vez que o número de turistas e mesmo de moradores que vão às praias é menor.

Serão fechados os registros de três das quatro duchas que compõem cada chuveirinho. Nos locais onde não houver lava-pés, a administração municipal pretende manter duas duchas ligadas. Por enquanto, existem 27 lava-pés, mas até o fim do mês que vem mais 20 serão instalados.

A própria população é contra o desperdício, denunciando o mau uso dos equipamentos por moradores de rua, que costumam tomar banho nos chuveiros, lavar cães e até roupas nesses locais. Desde o início do verão, a prefeitura vinha fazendo campanha, em ação conjunta com a Sabesp, para que os banhistas evitassem o desperdício de água dos chuveirinhos e do líquido, de modo geral.


A situação, de acordo com a concessionária de água e esgoto, encontra-se sob controle na região da Baixada Santista, uma vez que a empresa capta água bruta de rios provenientes da Serra do Mar, encaminhando o líquido diretamente para os sistemas produtores na região. Das estações de tratamento, a água segue pelas tubulações até um reservatório de tratamento e, dali, avança pelas redes de distribuição até as residências.

A Sabesp afirma que o abastecimento em Santos é beneficiado pela disponibilidade hídrica da região. Mas, no fim do ano, quando a área chegou a receber cerca de 5 milhões de visitantes, a empresa distribuiu folhetos sobre economia de água. 

Mais conteúdo sobre:
Santoscrise da água

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.