Santa Maria: Crea aponta sucessão de erros

Parecer lista uso de revestimento acústico inflamável entre as 'causas fundamentais' da tragédia; secretário sugere omissão da Prefeitura

Elder Ogliari, O Estado de S.Paulo

05 de fevereiro de 2013 | 02h06

PORTO ALEGRE - Relatório técnico divulgado ontem pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio Grande do Sul (Crea-RS) confirma que o incêndio na boate Kiss, em Santa Maria (RS), na madrugada do dia 27, que deixou 237 mortos, foi resultado de uma série de falhas - comum em grandes desastres.

O parecer aponta entre as "causas fundamentais" o uso de material de revestimento inflamável na área do palco e a realização de show com componentes pirotécnicos. O não funcionamento de extintores perto do palco teriam pesado para a propagação do fogo e o excesso de lotação, para o número de mortos. Por fim, cita como agravantes "as características inadequadas do espaço, em termos de sinalização, tamanho e localização das saídas de emergência", que "dificultaram a evacuação", além da "aparente falta de treinamento para situações de emergência e a ausência de equipamentos de comunicação da equipe de segurança do local".

Para evitar que desastres semelhantes se repitam, o Crea-SP sugere medidas como: a criação de um Código de Segurança Contra Incêndio e Pânico, que poderia ser estadual ou nacional, e a proibição de licenciamentos provisórios de atividades de risco sem alvarás expedidos pelo Corpo de Bombeiros.

Espuma. "Tudo leva a crer que foi um conjunto de circunstâncias que levaram à tragédia. Mas foi a espuma sem retardante (material que dificulta a queima) que gerou a fumaça", disse ontem o delegado Marcelo Arigony, responsável pela investigação, ao lado de outras autoridades do Estado. Para o secretário de Segurança Airton Michels, houve "um compartilhamento de responsabilidades", sugerindo omissão da prefeitura de Santa Maria. "Em qualquer lugar do mundo, quem controla o prazo dos alvarás?"

Ontem também surgiu a informação de que a espuma de vedação acústica usada na Kiss foi comprada em uma loja de colchões da cidade. Segundo a RBS TV, afiliada da TV Globo, o dono do comércio disse que o material foi comprado diretamente da fábrica, após encomenda dos responsáveis pela obra na Kiss. A loja ainda forneceria a mesma espuma para consultórios, igrejas e hospitais.

Na manhã de ontem, cerca de três mil alunos, funcionário da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e parentes de vítimas participaram de um ato ecumênico no câmpus. Entre alunos e ex-alunos, a UFSM perdeu 116 pessoas - foram acesas 116 velas durante a cerimônia. COLABOROU LUCAS AZEVEDO, ESPECIAL PARA O ESTADO, DE SANTA MARIA

Tudo o que sabemos sobre:
santa maria, kiss

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.