Santa Maria: associação pede R$ 3 mi por caso

A Associação Nacional para Exigência do Cumprimento das Obrigações Legais (Anecol), com sede em São Paulo, ajuizou uma ação civil pública na Comarca de Santa Maria, pedindo que os proprietários da boate Kiss, os integrantes da banda Gurizada Fandangueira e a prefeitura de Santa Maria sejam condenados a pagar R$ 3 milhões à família de cada uma das 239 vítimas da tragédia ocorrida na casa noturna e R$ 300 mil a cada um dos feridos, pelos abalos morais que sofreram.

ELDER OGLIARI / PORTO ALEGRE, O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2013 | 02h05

"Esses valores não devolvem vidas, mas são razoáveis para as famílias sentirem que a justiça foi feita", diz o advogado Walter Euler Martins, da Anecol.

O número de pacientes internados com ferimentos por causa do incêndio na boate Kiss caiu de 42 na quarta-feira para 37 ontem. Entre os cinco que tiveram alta estavam dois irmãos gêmeos internados em Canoas e uma pessoa em Caxias do Sul, cidades que deixaram de ter pacientes da tragédia.

Ontem, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul negou os pedidos de habeas corpus em favor de Mauro Hoffmann, um dos sócios da Kiss, e de Marcelo dos Santos, vocalista da banda Gurizada Fandangueira.

Já a Assembleia Legislativa formou duas comissões para analisar as legislações estadual e municipais contra incêndios e propor, neste ano, modificações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.