Santa Casa vai cortar parte dos serviços

Medida não afetará casos urgentes; objetivo é enfrentar a crise financeira da instituição

Fabiana Cambricoli, O Estado de S. Paulo

18 Dezembro 2014 | 22h35

Em crise financeira e com déficit superior a R$ 400 milhões, a Santa Casa de Misericórdia de São Paulo anunciou nesta quinta-feira, 18, ao corpo clínico que reduzirá os atendimentos eletivos (não urgentes) como parte de um plano de contingência iniciado quinta.

Em comunicado interno obtido pelo Estado, o novo superintendente da instituição, Irineu Massaia, informa a Mesa Administrativa e os funcionários da instituição sobre as medidas a serem adotadas, entre elas restrição do atendimento eletivo ambulatorial, revisão do fluxo de atendimento, priorizando emergência e unidades críticas, e até a transferência de pacientes internados.

De acordo com médicos ouvidos pela reportagem que participaram de reunião com o superintendente, o pronto-socorro da instituição não aceitará doentes com quadros menos graves e poderá recusar pacientes ambulatoriais novos, ou seja, que ainda não fazem tratamento no complexo.

No comunicado, o superintendente classifica a situação da Santa Casa como insolvente e diz ser “impossível, em curto prazo, honrar débitos com fornecedores, funcionários e dívidas fiscais da gestão passada”.

Ressalta que, com a suspensão do contrato da empresa que cuidava da limpeza e manutenção da Santa Casa, anunciada quinta-feira por falta de pagamento, foi perdida a “capacidade integral de manutenção de equipamentos essenciais ao atendimento e segurança de pacientes e colaboradores”. Diz ainda que há iminente risco de greve por causa do atraso nos pagamentos dos salários e que o plano de contingência adotado tem como objetivo “a mitigação de danos”.

A assessoria de imprensa da Santa Casa confirmou que a adoção do plano de contingência tem como objetivo “racionalizar o número de atendimentos eletivos ambulatoriais e cirúrgicos para dar prioridade à assistência de urgência”. A entidade afirmou que entrará em contato com os pacientes que têm procedimentos agendados para os próximos dias para confirmar o atendimento ou informar o adiamento.

Salários. Nesta quinta, em reunião na Superintendência Regional do Ministério do Trabalho em São Paulo, a Santa Casa voltou a adiar a data para pagamento de salários e 13.º atrasados. A entidade pediu aos sindicatos que aguardem até o dia 29, proposta aceita pelos trabalhadores.

Mais conteúdo sobre:
Santa CasaSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.