Sangue pode ter sido removido de casa de PMs

Perícia aponta que o assassino pode ter feito uma limpeza, principalmente no espelho do quarto de Bernardete da Silva, de 55 anos, a única que teria recebido mais de um disparo

Luciano Bottini Filho, O Estado de S.Paulo

20 de agosto de 2013 | 02h01

Marcas de sangue na cena do crime onde morreram cinco membros da família de um casal de policiais militares, no dia 5, na Brasilândia, zona norte da capital, podem ter sido removidas antes da chegada da polícia, segundo informações da investigação. Pelo inquérito, Marcelo Pesseghini, de 13 anos, é o principal suspeito de assassinar pais, avó, tia-avó e de se matar.

Uma das muitas controvérsias sobre o caso é o fato de as imagens da residência mostrarem pouca presença de sangue. A perícia apontou que o assassino pode ter feito uma limpeza, principalmente no espelho do quarto da tia-avó, Bernardete Oliveira da Silva, de 55 anos, a única que, segundo a apuração preliminar, teria recebido mais de um disparo.

Segundo a polícia, assim que os peritos começaram a fazer os exames foi aplicado uma substância chamada luminol para localizar sangue invisível ao olho humano. Os investigadores procuraram também roupas ou panos que pudessem ser usados por Marcelo para se livrar do sangue.

Uma hipótese é que ele tenha mudado de roupa e a jogado no caminho da escola. Imagens de câmeras de segurança mostram o garoto estacionando e saindo do carro de sua mãe perto do colégio, em que assistiu aula pela manhã e de onde voltou para casa de carona com o pai de um amigo, por volta do meio-dia.

Ao todo, na madrugada dos crimes, foram ouvidos cinco disparos. Testes feitos pela polícia na madrugada de segunda-feira, 19, confirmaram os depoimentos dos vizinhos. O barulho poderia ser ouvido a cerca de 50 metros de distância, segundo testemunhas. O teste foi feito com o mesmo tipo de arma usada no crime, uma pistola .40, no dia e no horário estimados da chacina. Os laudos periciais dos testes sonoros feitos na madrugada de ontem ainda serão revelados com outras análises que o Instituto de Criminalística (IC) tem em andamento.

Sequência da tragédia. A ordem das mortes, até agora, seria: o sargento das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) Luis Marcelo Pesseghini, de 40 anos, sua mulher, a cabo Andreia Regina Bovo Pesseghini, de 35, e a avó materna, Benedita Oliveira Bovo, de 65.

A tia-avó teria morrido por último e recebido dois tiros - um sinal de que estaria acordada e teria tentado se defender. / COLABOROU GABRIELA VIEIRA

Tudo o que sabemos sobre:
Caso PesseghiniMarcelo Pesseghini

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.