Wilton Junior/AE
Wilton Junior/AE

Salvador vai privatizar o Elevador Lacerda

Prefeitura não consegue pagar manutenção do equipamento, que precisa de reforma; preço da passagem vai aumentar

Tiago Décimo / SALVADOR, O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2011 | 00h00

Após uma série de problemas registrados neste ano no Elevador Lacerda, um dos cartões-postais de Salvador, a prefeitura admitiu ser incapaz de fazer a manutenção necessária do equipamento e anunciou que prepara projeto de concessão da operação do elevador, inaugurado em 1873, para a iniciativa privada.

A proposta, segundo a Secretaria de Transportes e Infraestrutura, está sendo elaborada há dois meses e prevê a abertura do processo de concessão em novembro, para que a iniciativa privada assuma a operação no início de 2012. A empresa que assumir a administração do Lacerda terá de operar os outros três equipamentos que ligam as Cidades Alta e Baixa, chamados Planos Inclinados ou bondinhos.

Segundo a secretaria, apenas o Elevador Lacerda precisa de investimentos mensais de R$ 250 mil. Sem contar que toda a estrutura necessita de revisão detalhada. A última foi há 15 anos.

"Vamos exigir ampla reforma, incluindo a troca de toda a motorização, para que as interrupções deixem de acontecer", afirma o secretário José Mattos.

Há quase dois meses, apenas duas das quatro cabines do Elevador Lacerda funcionam, por causa de problemas nos motores. As 30 mil pessoas que usam diariamente o equipamento - que liga o bairro do Comércio à Praça Tomé de Souza, onde fica a prefeitura e a Câmara - enfrentam filas.

A situação é ainda pior em alguns planos inclinados. O Gonçalves, o mais antigo deles, de 1874, que liga o Comércio e a Praça da Sé, no Pelourinho, por exemplo, está fechado há seis meses, desde que foi detectada instabilidade no solo da encosta onde estão fixados os trilhos. Segundo a prefeitura, passam pelos três planos inclinados, diariamente, 15 mil pessoas.

Preço. O projeto já causa polêmica entre os usuários, principalmente em relação ao preço da passagem. Para ficar comercialmente viável, a passagem no Elevador Lacerda teria de ser reajustada dos atuais R$ 0,15 para R$ 0,50. "Nossos esforços são para que o aumento seja o menor possível", afirmou Mattos.

O ambulante Josenilton Costa considera o possível aumento injusto. "De que adianta pagar impostos se tenho de gastar mais com serviços que deveriam ser da prefeitura?", questiona.

Segundo a Secretaria de Transportes e Infraestrutura, o processo de concessão das ligações entre as Cidades Baixa e Alta de Salvador deve ser estendido a estações rodoviárias do município que precisam de manutenção. A maior delas, a Estação da Lapa, por onde passam cerca de 500 mil pessoas por dia, por exemplo, tem quatro das 11 escadas rolantes quebradas.

Justificativa

JOSÉ MATTOS

SECRETÁRIO DE TRANSPORTES E INFRAESTRUTURA DE SALVADOR

"A concessão é uma alternativa legítima. O trenzinho que leva ao topo do Corcovado (no Rio), também é operado e gerido pela iniciativa privada"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.