Saiba quais são as principais mudanças com a aprovação do Plano Diretor

Proposta, aprovada nesta quarta-feira na Câmara, reorganiza o crescimento de São Paulo

Diego Zanchetta, O Estado de S. Paulo

30 de abril de 2014 | 20h09

SÃO PAULO - A Câmara dos Vereadores de São Paulo aprovou na tarde desta quarta-feira, 30, em primeira votação, o novo Plano Diretor de São Paulo. Foram 46 votos favoráveis contra dois contrários. A proposta reorganiza o crescimento da cidade.

Mais de 3 mil sem-teto que bloqueavam o Viaduto Jacareí, uma das principais e mais movimentadas vias do centro, comemoraram o resultado final da votação. A proposta da gestão Fernando Haddad (PT) será levada a segunda e definitiva votação, que deve ocorrer até o final do mês.

O que muda com o novo Plano Diretor:

Espigões liberados ao longo dos corredores de ônibus

O novo Plano Diretor libera a construção de prédios com até 42 metros de altura (15 andares) às margens de grandes avenidas que possuem corredores de ônibus e estações do Metrô, sem restrições. A mesma regra vale para um raio de 200 metros no entorno dos corredores

Prédios só de 8 andares no meio de bairros saturados

Por dentro de regiões verticalizadas e com pouca oferta de transporte público (casos de bairros como Vila Mariana, Pompeia, Perdizes, Morumbi e Moema) só serão liberados prédios com no máximo oito andares. A exceção vai acontecer em quarteirões onde já existem mais de cinco prédios com altura superior a 25 metros.

Cohab e Minha Casa Minha Vida em áreas de proteção ambiental

Acabam as restrições para a construção de prédios populares em áreas de preservação permanente, como no entorno das represas Billings e Guarapiranga e no bairro de Parelheiros. A restrição às edificações na Serra da Cantareira, protegida por lei estadual, foi mantida.

Corredor cultural Luz-Paulista

Cria anistia de impostos para a construção de cinemas, galerias de arte e teatros no eixo entre a Estação da Luz e a Avenida Paulista

Nova zona rural no extremo sul

O projeto torna o distrito de Engenheiro Marsilac novamente uma zona rural. O objetivo é permitir que agricultores da região possam captar incentivos do governo federal só concedidos para quem mora nessas áreas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.