Saenge alega contrato e evita comentários

Procurada pela reportagem, a Saenge Engenharia de Saneamento e seu diretor presidente, Luiz Arnaldo Pereira Mayer, afirmaram que não poderiam comentar a acusação, por causa de cláusulas contratuais. "Agradecemos a oportunidade concedida de manifestação. Devido à cláusula contratual, estamos impedidos de qualquer comentário. Oportunamente manteremos contato para posicionar nossa empresa", diz nota enviada pela empresa por e-mail.

O Estado de S.Paulo

08 de novembro de 2012 | 02h03

A reportagem não conseguiu localizar o ex-diretor de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente da Sabesp Marcelo Salles Holanda de Freitas. Ele deixou a companhia em setembro do ano passado, após revelação de que uma empresa da qual ele foi sócio até 2007 elevou em R$ 170 milhões os negócios com a Sabesp depois de ele se tornar diretor da estatal, em janeiro daquele mesmo ano. Na época, ele negou haver conflito de interesses. Também não foi possível localizar a Ônix Construções e seu representante legal, Marcos Assumpção Pacheco de Medeiros.

Campinas. A Saenge foi um dos pivôs do escândalo de corrupção que levou à cassação de dois prefeitos da cidade de Campinas no ano passado.

Luiz Arnaldo Pereira Mayer, presidente da empresa, foi flagrado em grampos e acabou preso temporariamente por supostas fraudes em licitações da Sanasa, a companhia de saneamento de Campinas. Ele atualmente responde a um processo criminal na 3.ª Vara Criminal de Campinas, no qual alega ser inocente. / F. M. e R. B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.