Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Sacolinhas com marca de supermercado não poderão mais ser cobradas em São Paulo

Embalagens sem nome da empresa e com instruções de uso poderão ser vendidas; medida vale apenas para a capital paulista

Ana Paula Niederauer, O Estado de S.Paulo

18 Outubro 2017 | 09h47

SÃO PAULO - Supermercados da cidade de São Paulo não poderão mais cobrar por sacolinhas plásticas biodegradáveis que contenham a marca da empresa. A nova norma do Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) Paulistano foi publicada no Diário Oficial dessa terça-feira, 17. A medida evita que o consumidor pague por publicidade gratuita dos supermercados. 

Já embalagens bioplásticas que não tiverem a marca da empresa e contenham as instruções de uso padronizadas pela Prefeitura podem continuar sendo vendidas. Atualmente,o consumidor paga a partir de R$0,08 por unidade.

+++ Apesar de redução de imposto, supermercados não devem reduzir preço de carne

Segundo o Procon, o estabelecimento que descumprir a nova lei poderá ser multado de acordo com a gravidade da infração, a vantagem auferida e a condição econômica do fornecedor.

Em nota, a Associação Paulista de Supermercados (APAS) disse que acata a decisão do Procon Paulistano. No entanto, enviou ofício a instituição solicitando prazo para adaptação do setor, considerando os estoques de sacolas impressas já existentes, já que nunca havia sido questionado o uso dos logotipos.

Ainda segundo o texto, a APAS se colocou à disposição do Procon para debater o assunto e pontuou todo o  processo de educação e o esforço que o setor supermercadista fez para a conscientização do consumidor em usar meios reutilizáveis para o transporte de compras. 

Lei das sacolinhas biodegradáveis

Em vigor desde o dia 5 de abril de 2015, a lei das sacolinhas proíbe os estabelecimentos comerciais de São Paulo de distribuir as tradicionais sacolas plásticas. Em substituição, o comércio adotou uso de sacolas verdes e cinzas, que são 40% maior e biodegradáveis. 

O objetivo da lei é evitar que as novas sacolinhas sejam despejadas nos aterros com resíduos que não são reciclados e, assim, deixem de ser reutilizadas, prejudicando o meio ambiente. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.