Werther Santana/AE
Werther Santana/AE

Saci é usado para ''denunciar'' violência e falta de áreas de lazer

Artista plástico grafita personagem folclórico em ruas e viadutos de SP para ironizar questões [br]urbanas e sociais

Monique Abrantes, O Estado de S.Paulo

28 Julho 2011 | 00h00

JORNAL DA TARDE

"Aparições" de saci estão mais frequentes em São Paulo. Grafitado em ruas e viadutos da cidade, o personagem tem sido usado para apontar problemas urbanos e sociais. Pelo menos esta é a proposta do Saci Urbano, criado pelo artista plástico Thiago Vaz para ironizar, por exemplo, violência, falta de espaços de lazer e consumo exacerbado.

Em uma parede no Conjunto Zarvos, na Consolação, o saci aparece para criticar preconceitos na abordagem policial a negros. No Viaduto Armando Puglisi, no Bexiga, critica a Prefeitura, que apaga grafites feitos por outros artistas nas pilastras.

Vaz explica que a ideia surgiu em 2008 e buscou na infância o personagem. "O saci é a união da ciência com o folclore. Ele é a inteligência ignorada."

O Saci Urbano divide opiniões. Para o comerciante Márcio Alexandre, dono de uma floricultura no Conjunto Zarvos, que é tombado, o desenho polui a cidade. "Faz um bom tempo que esse e outros trabalhos foram feitos aqui e o conselho responsável pela manutenção de patrimônios históricos não faz nada."

A dona da banca de jornal perto do Viaduto Armando Puglisi, Elenir Dias da Mota Teixeira, discorda. "Acho legal a forma como ele retrata os problemas da cidade. Muitas pessoas passam por aqui e ficam observando."

Segundo o Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp), as intervenções precisam de avaliação do órgão. Por outro lado, a manutenção do espaço é de responsabilidade do proprietário. A Secretaria de Coordenação das Subprefeituras informa que esse tipo de trabalho não é proibido, mas é preciso fazer um acordo com o órgão responsável pelo espaço público para que haja autorização.

Até no exterior. São Paulo não é a única cidade onde o Saci Urbano já foi retratado. Vaz conta que o personagem está presente também em Santos, no Rio e até em outros países, como França e Cuba. O convite para mostrar o trabalho no exterior foi feito pelo artista e fotógrafo francês, Eric Marshall. Segundo Vaz, enquanto seu trabalho encontra resistência de órgãos públicos paulistas, que, segundo ele, apagam os desenhos, em Paris ele foi preservado.J

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.