Sabesp garante que não faltará água em Guarujá neste verão

Presidente da estatal visitou os novos reservatórios que custaram R$ 13 milhões; construção começou em 2007

Rejane Lima, O Estado de S.Paulo

29 Dezembro 2008 | 19h04

A Sabesp antecipou em um ano a entrada em operação de dois reservatórios no Guarujá e garante que não faltará água no município nessa temporada de verão. O presidente da estatal, Gesner Oliveira, visitou nesta segunda-feira, 29, os novos reservatórios, nos bairros Santo Antonio e Guaiuba, que juntos garantem a armazenagem de nove milhões de litros d'água, um aumento de 43% na capacidade da cidade.     Veja também: Confira o que abre e o que fecha na capital no réveillon  Operação Verão inclui reforço de policiamento no litoral de SP Fotos de banhistas aproveitando o verão     Veja praias impróprias     "A gente trabalhou o ano inteiro para que a temporada passasse sem problema de abastecimento. Isso não quer dizer que não haja problemas pontuais, pois estatisticamente estamos falando em três milhões de pessoas", disse Oliveira, afirmando que para isso é preciso que haja o consumo consciente, com a utilização máxima de 150 litros de água por pessoa por dia. "Acreditamos que não haverá problemas de abastecimento nessa combinação, de uma oferta programada, planejada e reforçada e de uma demanda sob controle mediante o consumo consciente da população".   Descrito por Oliveira como "um marco", os dois reservatórios custaram R$ 13 milhões, mais de 60% do total de R$ 21,3 milhões investidos na Operação Verão da Sabesp em todo o litoral paulista esse ano. Os dois reservatórios começaram a ser construídos no final de 2007 e embora ainda não tenham sido concluídos, já estão operando parcialmente para garantir abastecimento nos dias de pico do final do ano, quando a população do Guarujá chega a quadruplicar.   O diretor de Sistemas Regionais da Sabesp, Umberto Semeghini, explica que após os problemas de abastecimento ocorridos no réveillon passado, a empresa negociou com a construtora vencedora da licitação para que a obra fosse acelerada. "Nós tivemos mais de 80 pessoas trabalhando para poder cumprir esse prazo, que seria para o verão de 2010".   Segundo ele, os reservatórios estão operando com quatro bombas quando o total será dez e ainda precisam ser impermeabilizados, mas o resultado para o verão já cumpre em 100% o aumento planejado. "O projeto prevê a desativação de uma estação elevatória antiga e a entrada em operação das novas, o que nós fizemos foi trabalhar com a nova e a antiga nesse período, enquanto a obra não está totalmente concluída", explicou Semeghini, lembrando que em 2011 Guarujá terá a conclusão de outra grande obra, orçada em R$ 83 milhões: a estação de tratamento de Jurubatuba.   Embora a estação sirva para garantir a qualidade da água, seu funcionamento influencia também o abastecimento, diz o diretor. Ele explica que em períodos de muita chuva, a empresa diminui a vazão para poder tratar a água, que chega com pior qualidade, porém, com a nova estação, a água será produzida rapidamente independente da qualidade que chegar dos mananciais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.