Sabesp diz seguir norma técnica e nega racionamento

'Adequação da pressão é medida necessária para atender manobras técnicas como o remanejamento dos Sistemas Guarapiranga e Alto Tietê para o Cantareira', diz a empresa, em nota

Fabio Leite e Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

16 Abril 2014 | 03h00

SÃO PAULO - A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) afirmou em nota que não há racionamento de água na capital paulista e que a redução da pressão na rede durante as madrugadas é necessária para a realização de manobras operacionais no sistema de distribuição.

"Não há racionamento, rodízio ou restrição de consumo em nenhum dos municípios atendidos pela Sabesp. A adequação da pressão é uma medida necessária para atender manobras técnicas como o remanejamento dos Sistemas Guarapiranga e Alto Tietê para o Cantareira", afirma.

Em relação à pressão, a Sabesp informou que segue a norma técnica NBR 12.218/94 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), segundo a qual a pressão estática máxima nas tubulações deve ser de 500 kPa (quilopascal) e a mínima de 100 kPa, "ou seja 10 m.c.a. (metros de coluna d’água)". "A Sabesp reafirma que fornece água ininterruptamente para todos os municípios que atende", informa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.