ALEX SILVA/ESTADAO
ALEX SILVA/ESTADAO

Sabesp diz que não há água para captar em rio que passou por obras

Quase 50 dias após ser inaugurada por Alckmin, a transposição do Guaió, no valor de R$ 29 milhões, não está operacional

Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

17 de agosto de 2015 | 07h41

SÃO PAULO - Quase 50 dias após a inauguração, o rio onde a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) investiu R$ 28,9 milhões em uma transposição para “garantir o abastecimento hídrico durante o período seco” e socorrer o Sistema Alto Tietê está sem água. O objetivo da obra emergencial era levar 1 mil litros por segundo do Guaió para a Represa Taiaçupeba, em Suzano, onde fica a estação de tratamento, “beneficiando diretamente mais de 300 mil moradores” da Grande São Paulo. Mas, por causa da estiagem no local, a operação não foi iniciada. 

“Não há água para retirar do rio”, admitiu o superintendente de Produção da Sabesp, Marco Antônio Lopez Barros, durante apresentação sobre as obras emergenciais da empresa para o Comitê da Bacia do Alto Tietê, na quinta-feira. Segundo ele, a obra do Rio Guaió ainda está em fase de “pré-operação”. No dia seguinte, a reportagem do Estado visitou as instalações e constatou que as bombas que foram ligadas pessoalmente pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) em um evento para a imprensa no dia 29 de junho estavam desligadas.

Na ocasião, o tucano afirmou que estava “entregando a primeira das três obras importantíssimas para garantir o abastecimento hídrico durante o período seco”, que vai de abril a setembro. As outras duas são a ampliação da capacidade de produção do Sistema Guarapiranga em 1 mil l/s, inaugurada em 20 de julho, mas também em “pré-operação”, e a transposição de 4 mil l/s da Billings para a Taiaçupeba, que está três meses atrasada e só deve entrar em operação em outubro.

“Já era sabido que no período de estiagem não teria essa vazão que eles anunciaram. Com essa seca no Alto Tietê, então, o Guaió não tem nem metade dessa água. Isso parece mais uma ação de marketing do que uma obra para resolver o problema. Venderam para a população que iam bombear continuamente mil litros por segundo, mas não estão bombeando nada”, afirma o engenheiro José Roberto Kachel, ex-funcionário da Sabesp e integrante do comitê do Alto Tietê. Ele já havia alertado para esse risco em março.

Adutora. O Guaió é um pequeno rio que nasce em Mauá, no ABC, e deságua no Rio Tietê, no limite de Poá com Suzano, após percorrer 20 quilômetros. A Sabesp construiu 9 quilômetros de adutoras para levar água dele até o Ribeirão dos Moraes, um córrego que termina no Rio Taiaçupeba-Mirim, afluente da Represa Taiaçupeba, onde está a estação de tratamento do Sistema Alto Tietê. Hoje, o manancial que abastece 4,5 milhões de pessoas na porção leste da Grande São Paulo é o que está mais próximo do colapso, com apenas 15,9% da capacidade.

“Nesta época do ano o rio fica raso, a água que tem é essa aí mesmo. Quando chove, ele enche bem e você nem vê esse capim todo. Nos últimos dias, dava para ouvir o barulho das bombas, mas hoje eles nem ligaram”, disse Jair Ramos, de 59 anos, dono de um bar vizinho da obra de captação do Guaió.

À época da inauguração, a Sabesp afirmou que a obra era “essencial para garantir o abastecimento da população no período de estiagem, que vai até o fim de setembro” e “a entrada de mais um rio para alimentar as represas vai ampliar o nível de todo o sistema”. Desde a entrega da estrutura, porém, o Alto Tietê perdeu 25,6 bilhões de litros, ou 4,5% da capacidade. Na sexta-feira, por exemplo, a entrada total de água na Represa Taiaçupeba foi de apenas 660 litros por segundo, abaixo dos 1 mil l/s prometidos.

Agora, a Sabesp afirma que as obras emergenciais “foram concebidas para aumentar a resiliência do sistema produtor de água, ou seja, para captar água onde estiver chovendo e armazenar onde for possível”. Segundo a companhia, “por causa disso, as estruturas não funcionam a toda carga todo tempo”. A empresa afirma que “a previsão de retirada do Guaió para o Alto Tietê, conforme a outorga, é de uma média anual de até 1 mil l/s”, mas “isso não significa que a vazão se mantenha constante nesse valor”. 

A reportagem questionou a razão de a transposição do Guaió ainda estar em fase de pré-operação quase 50 dias após a inauguração e qual o volume diário retirado do rio para abastecer o Alto Tietê, mas a Sabesp não respondeu. “Em momentos de maior chuva, poderá ser retirada mais água e em outros, por falta de disponibilidade hídrica, a captação será menor”, resumiu.


Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.