Sabesp/Reprodução
Sabesp/Reprodução

Sabesp divulga horário de redução da água também na internet

Consumidor precisa somente selecionar na página da companhia o município e a região onde mora; outra opção é ligar no telefone 195

O Estado de S. Paulo

27 Janeiro 2015 | 10h21

SÃO PAULO - A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) também passou a divulgar no seu site os horários em que cada imóvel da Grande São Paulo é afetado pela redução da pressão da água na rede. A restrição é feita diariamente, na maioria das vezes começa às 13h e pode durar até as 18h, como nos casos do Ipiranga, na zona sul, e de Aricanduva, na zona leste.

Para saber o horário em que pode ficar sem água, o consumidor precisa selecionar a cidade e a região no site da Sabesp. Outra opção é ligar no telefone 195 da companhia, informar o Registro Geral do Imóvel (RGI) - número que vem discriminado na conta - e esperar a resposta do atendimento automático.

A empresa alega que a medida não caracteriza "racionamento sistêmico" e afirma que a redução da pressão é feita desde 1997 para reduzir as perdas por vazamentos. A medida, no entanto, foi intensificada após a seca no Sistema Cantareira, provocando cortes no abastecimento de água, inicialmente à noite e em regiões mais altas.

Responsável por 60% de toda a economia de água obtida durante a crise, a redução nunca havia sido divulgada pela companhia, até o Estado revelar a prática, em abril do ano passado.

A divulgação dos locais e horários em que há redução só foi feita agora por determinação da Agência Reguladora de Saneamento e Energia de São Paulo (Arsesp), quando autorizou a Sabesp a cobrar sobretaxa de até 100% na tarifa de água para quem aumentar o consumo.

"A gestão da redução de pressão está possibilitando postergar a exaustão dos mananciais, enquanto estão sendo executadas uma série de obras para ampliar a produção e transferir água de diferentes sistemas produtores", escreveu a Sabesp, em seu site.

Mais conteúdo sobre:
Crise da água Sabesp São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.