Sabesp deve apresentar solução para a falta de água em 4 dias, diz Alckmin

Falta de chuva e o aumento do consumo reduziram para 22% o volume de armazenamento de água das represas do Sistema Cantareira

Chico Siqueira, Especial para O Estado

30 de janeiro de 2014 | 18h38

GUARARAPES - O governador Geraldo Alckmin disse nesta quinta-feira, 30, que a Sabesp deve entregar "em três ou quatro dias" uma proposta para solucionar o problema de abastecimento do Sistema Cantareira, que enfrenta a pior estiagem dos últimos dez anos. A falta de chuva e o aumento do consumo reduziram para 22% o volume de armazenamento de água das represas do sistema, o que pode levar ao racionamento os municípios da Grande São Paulo abastecidos por elas.

Em visita ao interior de São Paulo - onde entregou casas em Valparaíso e Mirandópolis e uma creche-escola em Guararapes -, o governador disse que a Sabesp está concluindo um pacote de medidas para melhorar o abastecimento à população assistida pelo Sistema Cantareira. Ele lembrou que a situação do Sistema Cantareira 'é distinta' dos outros reservatórios que abastecem a capital paulista.

"Os reservatórios, como o da Guarapiranga e do Alto Cotia, e outros de várias áreas, estão com quase 100% da capacidade, o que é suficiente para abastecimento da cidade de São Paulo. Mas temos o Cantareira com 23% porque na região de Minas Gerais e São Paulo, que o abastece, não chove há um bom tempo", explicou. Por isso, segundo Alckmin, as medidas da Sabesp serão apenas para os municípios que dependem do sistema Cantareira, responsável por abastecer 42% da Grande São Paulo.

De acordo com o governador, uma das medidas é uma campanha publicitária, que já está sendo levada ao ar pela Sabesp. "Ela (Sabesp) começou uma campanha para alertar a população sobre a necessidade de reduzir o consumo e não desperdiçar água", disse o governador. Segundo ele, a campanha dá dicas de como economizar água, como não deixar a torneira aberta quando se estiver fazendo a barba ou tomando banho e evitar lavar automóvel, entre outras atitudes. "A pior coisa é ter verão sem chuva, com grande consumo de água e ainda perda por evaporação", disse.

Alckmin não quis adiantar quais seriam as outras medidas, mas disse que elas devem ser anunciadas nos próximos dias. "Vamos aguardar mais uns quatro dias e anunciaremos", prometeu. Apesar da situação, a Sabesp informa que não há necessidade de se adotar o racionamento por enquanto.

Tudo o que sabemos sobre:
abastecimentocantareiraSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.