Sabesp descarta racionamento de água no interior e no litoral de SP

Após participar do 58º Congresso Estadual de Municípios, diretor disse que as 336 cidades da região atendidas pela empresa têm 'abastecimento pleno'

Elizabeth Lopes e Pedro Venceslau, O Estado de S. Paulo

20 Março 2014 | 13h16

CAMPOS DO JORDÃO - O diretor de Sistemas Regionais da Sabesp, Luiz Paulo de Almeida Neto, descartou nesta quinta-feira, 20, o racionamento de água no Interior e Litoral do Estado. Após participar do 58º Congresso Estadual de Municípios, ele garantiu que não haverá necessidade de racionamento nessas localidades coordenadas por sua diretoria.

"Operamos no Interior e Litoral do Estado 326 municípios, tivemos uma seca intensa. Não houve falta d'água em nenhum município operado pela Sabesp. Temos ações em curso e o racionamento (Interior e Litoral) está descartado porque temos abastecimento pleno em todas essas cidades, mesmo nesse período crítico."

Segundo ele, as medidas anunciadas ontem pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), são benéficas para a segurança hídrica, integração de bacias. "É uma questão recente colocada pelo governador, mas ele tem feito todos os esclarecimentos e creio que vai beneficiar a todos, inclusive o Vale do Paraíba."

Segundo ele, apesar das críticas, a Sabesp está conseguindo enfrentar a crise forte da falta de chuvas. "O registro do Cantareira (sistema) é assim, é a seca mais forte dos últimos 84 anos e a Sabesp está administrando muito bem essa situação porque tem feito as ações emergenciais para suprir a cidade de São Paulo e toda Grande São Paulo."

O diretor reiterou que a Sabesp tem conseguido abastecer a cidade e quanto às críticas que tem recebido, acredita que são em função do ano eleitoral. "Ela tem conseguido dirigir as ações para manter o abastecimento."

Mais conteúdo sobre:
sabesp racionamento interior

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.