Sabesp aumenta, de novo, vazão de represa no interior

Manobra, segundo a companhia, é necessária; Jaguariúna entra em alerta e Lençóis e Aparecida ficaram alagadas

José Maria Tomazela, Pedro da Rocha e Tatiana Fávaro, O Estado de S.Paulo

18 Janeiro 2011 | 00h00

A Sabesp anunciou ontem que aumentará, a partir das 7h de hoje, a vazão da Represa Jaguari-Jacareí, em Vargem, divisa com Minas Gerais, porque o volume de chuvas cresceu. A companhia disse já ter comunicado sua decisão, com 12 horas de antecedência, às prefeituras de Amparo, Pedreira, Jaguariúna e Bragança Paulista. A manobra é necessária, ainda de acordo com a Sabesp, para que a represa continue retendo a água da chuva.

Em Jaguariúna, na região metropolitana de Campinas, a Defesa Civil manteve o estado de alerta. Mesmo antes do anúncio da Sabesp de que aumentará a vazão da Represa Jaguari-Jacareí, hoje, é alto o risco de o Rio Jaguari transbordar, como ocorreu na semana passada.

Prejuízos. A chuva continua a provocar danos no interior de São Paulo. Em Limeira, parte do teto da praça de alimentação do Shopping Center Plaza veio abaixo por causa do acúmulo de água e entupimento de calhas, segundo o Corpo de Bombeiros. Não houve vítimas.

Em Aparecida, o Rio Paraíba do Sul transbordou e suas águas atingiram 101 casas, deixando 398 pessoas desalojadas. Uma residência foi interditada pela Defesa Civil e os moradores estão abrigados na Escola Maria Aparecida Encarnação.

Em Socorro, o Ribeirão dos Machados transbordou, causando transtornos a moradores do bairro dos Nogueiras.

Ocorreram deslizamentos na Rodovia SP-008, que foi interditada no km 128, em ambos os sentidos.

Lençóis Paulista teve grande parte do centro inundada. A enchente teria sido agravada pelo rompimento de uma represa na área rural de Borebi, mas a prefeitura não confirmou o acidente.

A sede do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) foi atingida e a cidade deve passar por racionamento de água. "Moradores e comerciantes às margens do rio tiveram de sair", disse a prefeita Izabel Cristina Campanari Lorenzetti (PSDB).

De acordo com a prefeita, os últimos monitoramentos indicaram que as represas acima do Rio Lençóis, que corta a cidade, estão no limite. "Se uma se romper, haverá piora considerável da situação."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.