Ruy Barbosa viu, mas não entendeu

No início, a produção de cinema era de publicidade e de documentários, registros de cenas que aconteciam diante da câmera sem interferência de arte de contar histórias. A percepção do uso do corte no tempo para permitir o salto cronológico da narrativa em imagens e som só viria a aparecer anos depois. Numa de suas observações sobre a novidade cinematográfica, por exemplo, Ruy Barbosa escreveu crônica, aí pelos anos 20, dizendo que a maravilha daquela novidade era a qualidade de registrar fatos sem a direção que ele, Ruy, observava no teatro.

, O Estado de S.Paulo

27 de junho de 2010 | 00h00

Mas as coisas mudaram rápido. E o que era registro virou arte. Ainda bem!

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.