Werther Santana
Werther Santana

Confusão na Linha 4 e empurra-empurra marcam fim da folia em Pinheiros

Público teve dificuldade para sair da zona oeste após lotação e paralisação parcial do Metrô; Bloco Ritaleena reuniu milhares

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

03 Fevereiro 2018 | 21h03
Atualizado 03 Fevereiro 2018 | 22h33

Uma grande fila, com empurra-empurra e brigas, marcou o fim do primeiro dia de desfiles de blocos de pré carnaval em Pinheiros, na zona oeste de São Paulo. Os foliões tiveram dificuldade para sair da região após a concessionária ViaQuatro, que opera a Linha 4-Amarela do Metrô, fechou um dos acessos às plataformas da estação Fradique Coutinho e controlou a entrada no outro, criando confusão do lado de fora. O controle foi feito com grades e com seguranças paramentados com uniformes iguais às que a Polícia Militar usa em ocasiões de distúrbios civis, como confrontos contra black blocs. Os foliões brigavam entre si, entre acusações de furadas de fila e empurrões. Mas não houve troca de agressões.


+++ Linha 4 Amarela é paralisada após usuários acionarem botão de emergência

Foliões se alternavam entre subir o bairro em direção às avenidas Paulista e Doutor Arnaldo, esperar na fila, ou tentar ir pra casa de ônibus, seguindo pela Rebouças. Outros esperavam a confusão diminuir dançando ao redor de carros de som ao longo da Rua dos Pinheiros. Os serviços de transporte por aplicativos davam resposta de espera acima dos 20 minutos e custos mais caros do que o comum.

"Vou andar, porque o dinheiro está contado. Tenho que tomar metrô e trem, então não dá pra tomar ônibus", disse a estudante Laís Correia, de 17 anos, que passou a tarde no Largo da Batata.

Neste ano, os foliões não tiveram a chance de seguir até a Vila Madalena após os desfiles. O bairro estava fechado, com acesso permitido até às 17 horas. Assim, foram para as estações imediatamente após o término dos desfiles. A confusão se arrastou por cinco horas.

Mais cedo, a Linha 4 havia informado uma paralisação no sentido Luz, por causa do acionamento indevido dos sistemas de segurança. Mas a empresa havia dito também que o problema estava resolvido antes das 17h, quando o último bloco a desfilar na Rua dos Pinheiros, o Ritaleena, encerrou a folia.

Festa

Mais cedo, as já tradicionais perucas vermelhas e as músicas da cantora Rita Lee fizeram a festa na Rua dos Pinheiros, com milhares de foliões que seguiram o bloco Ritaleena, que desfilou neste sábado de pré-carnaval e volta à cidade no próximo sábado, dia 10, no Ipiranga, zona sul.

No bloco, durante os desfiles, o clima de festa não permitiu a ocorrência de nenhum incidente que pudesse atrapalhar o show. Além das perucas vermelhas, havia muita gente com fantasias diferentes, como a personal trainer Mariângela Vieira, de 39 anos, fantasiada de "vacina", em referência à febre amarela.  "Teve um ano que fui só de toalha, quando estava acontecendo a crise hídrica. Todo ano tento ver um tema que está no noticiário", brinca. Ela estava com um carrinho em.que distribuía as tais vacinas: vodca com suco de frutas.

Outros foliões estavam sem fantasias. Mas carregavam placas pelo pescoço com frases como: "não visto fantasias, só as realizo", ou "minha fantasia é você", ou ainda "minha fantasia é ser sua". A profissional de marketing Thalita Martorelli, de 30 anos (ou 31, segundo suas amigas), afirmou que nunca havia ido ao Ritaleena. "Eu encontrei o João Lira, filho da Rita Lee, e ele foi superlegal. Disse que ela (Rita) gostaria de mim." Segundo Thalita, ela gostava das músicas da cantora, mas foi depois de ler uma biografia dela que decidiu ir ao bloco. "Adorei e vou voltar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.