RP é preso por tentar roubar fórmula capilar

Homem teria planejado assalto a casa de amigo no Morumbi; alvo era receita de alisador de cabelo

Elvis Pereira, O Estado de S.Paulo

26 Março 2011 | 00h00

A polícia prendeu anteontem em Assis, no interior de São Paulo, o relações públicas Giulliano Schincariol Bordieri de Carvalho, de 34 anos. Ele é acusado de ter planejado o assalto à casa do empresário Alexandre Nascimento Manoel. Do imóvel, no Morumbi, zona sul de São Paulo, foram levados 14 relógios, R$ 200 mil (entre reais, dólares e euros), 2 notebooks e 1 CPU. O principal alvo do crime seria, entretanto, uma fórmula para alisamento de cabelos.

"Esse assalto não tem a ver com os objetos. Ele estava negociando com o filho do presidente do Gabão para vender a fórmula para a África", acusou Manoel, de 36 anos. Ele e Carvalho se tornaram amigos há 15 anos, em Assis, e depois se distanciaram. No fim de 2009, os dois voltaram a conversar. "Ele apareceu no MSN (programa de troca de mensagens pela internet) perguntando: "Onde você está? Estou na França e soube que você trabalha com alisamento e está indo bem"", contou Manoel.

Em dezembro do ano passado, Carvalho foi até a casa do amigo, no Morumbi. "Ele dormiu no quarto de hóspedes, onde estava o cofre", lembra Manoel. No mês seguinte, o acusado tornou a dormir no imóvel.

Às 8 horas de 28 de janeiro, Manoel foi acordado por três ladrões. Eles entraram na casa ao abrir o portão com o controle remoto, renderam o empresário e a empregada dele. "Eles sabiam onde estava tudo. Foram direto para o meu quarto, sem perguntar."

Com o tempo, a polícia passou a descartar os funcionários da empresa da vítima, da casa dele e, por fim, chegou ao amigo. A suspeita do envolvimento surgiu com o rastreamento de um dos notebooks da vítima. Carvalho usava-o normalmente na casa do pai, em Assis, e chegou a conversar pela internet com o próprio Manoel.

A polícia monitorou os diálogos. Anteontem, Manoel ligou para o amigo e pediu que ele recebesse um celular para ele. A entrega, porém, foi feita por policiais do Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic). Na casa do pai de Carvalho, os policias encontraram um dos notebooks e o flagraram usando um dos relógios da vítima. O segundo computador foi recuperado na residência da mãe do acusado, em Sorocaba.

"Informalmente, ele confessou que precisava de dinheiro. E teve essa ideia maluca de roubar o próprio amigo", afirmou o delegado Walter Ferrari, do Deic.

Carvalho foi indiciado por roubo e formação de quadrilha. Ontem, defendeu-se dizendo que a fórmula para alisar cabelos pertencia aos dois. Para evitar confusões, a fabricante de cerveja Schincariol ressaltou que o preso não tem qualquer vínculo com a família.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.