HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO
HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO

Roubos voltam a crescer e são 37 por hora em SP

Após dois meses de queda, Estado registrou aumento de 3,6%, na comparação com março de 2014; na capital, acréscimo foi de 1%

O Estado de S. Paulo

24 Abril 2015 | 17h25

Atualizada às 22h32

Depois de dois meses de oscilação negativa, o registro de crimes de roubo voltou a crescer no Estado de São Paulo, chegando a 27.793 ocorrências, ou 37 casos a cada hora, em março deste ano, na comparação com o mesmo mês do ano passado. É um aumento de 3,6% de um ano para outro.

No caso apenas da cidade de São Paulo, o aumento foi de 1% na comparação entre os dois meses.

O aumento acontece mesmo com a entrada em vigor de uma das apostas da gestão Geraldo Alckmin (PSDB) para coibir esse tipo de delito, o bloqueio de telefones celulares, mediante o fornecimento do IMEI, o código de cada aparelho. O secretário de Estado da Segurança Pública, Alexandre de Moraes, disse nesta sexta-feira, 24, que os roubos de celular correspondem a 41% dos registros desse tipo de crime na Grande São Paulo. 

“Vamos pegar os dado seccional por seccional para tentar entender melhor esse aumento dos roubos na região metropolitana”, afirmou Moraes. O secretário já havia prometido aumentar, sem detalhar com números, o efetivo policial empenhado no patrulhamento com motos na capital e nas grandes cidades do Estado, como forma de coibir o assalto a transeuntes. 


Cargas. O roubo de cargas também enfrentou um avanço mais significativo na capital. Foi um aumento de 37,7% nos casos na cidade, de 387 para 533 registros (17 por dia) - que puxaram o índice do Estado, de 664 para 879 ocorrências, aumento de 32%, na comparação com março de 2014.

Para o secretário Moraes, esse crescimento pode ser explicado por uma tentativa do setor de logística de alterar o horário de entrega de cargas na capital paulista, considerando especialmente o setor de supermercados. Um teste foi iniciado pela Prefeitura em fevereiro.

Moraes afirmou que a maior parte dos casos se concentrou na região de São Miguel Paulista, na zona leste. A área será alvo de uma investigação especial da polícia.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo criminalidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.