ESTADÃO
ESTADÃO

Roubos sobem na capital pelo 2º mês; homicídios caem

Divulgação de estatística ‘fatiada’ motiva críticas; é a 1ª vez que o Estado relata menos de 1 mil vítimas no 1º trimestre

Felipe Resk e Alexandre Hisayasu, O Estado de S. Paulo

25 Abril 2016 | 16h23

SÃO PAULO - O Estado e a cidade de São Paulo registraram aumento no índice de roubo pelo segundo mês consecutivo, segundo estatísticas divulgadas nesta segunda-feira, 25, pela Secretaria da Segurança Pública (SSP). Em contrapartida, o governo Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou redução em outros índices de criminalidade referentes a março, principalmente homicídio e latrocínio, tanto na capital como no Estado. 

Os dados começaram a ser divulgados às 15 horas, com índices em queda. Às 19h30, houve a divulgação completa de todas as estatísticas, incluindo roubo de carga, roubo a banco e estupro, entre outros crimes. O secretário Alexandre de Moraes, ao contrário do que aconteceu em outros meses, não convocou entrevista coletiva para comentar os números.

A assessoria de Moraes alegou que ele estava em agenda oficial no interior. Em Ribeirão Preto, o secretário comemorou a redução nos números de latrocínio e de homicídio.

Esta foi a primeira estatística trimestral divulgada após o Estado revelar, em 3 de março, que o número de homicídios em São Paulo era maior do que o divulgado pela gestão tucana, pois casos com histórico de assassinato foram registrados como morte suspeita. O Ministério Público abriu investigação para apurar a denúncia. Posteriormente, o jornal Folha de S. Paulo também apresentou objeções aos dados.

A divulgação “fatiada” das estatísticas criminais, nesta segunda, foi criticada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). O órgão também fez ressalvas ao fato de as ocorrências de letalidade policial (pessoas mortas em confrontos com a polícia) serem relatadas à parte.

Em nota, a SSP informou que “o próprio FBSP classifica, em suas publicações, que os dados oficiais paulistas estão entre os de maior qualidade de informações no Brasil”. Em relação à divulgação dos dados, a pasta afirmou que atende integralmente à Resolução 160, que regulamenta a divulgação desses registros.

No Estado, o crime que proporcionalmente teve o maior aumento foi o de roubo, com 5,88% registros a mais em 2016, na comparação mensal com 2015. Ao todo, foram 29.407 casos, ante 27.773 notificações em março do ano passado. No trimestre, o aumento foi de 4,15%. O índice já havia registrado alta em fevereiro (7,4%) e no último trimestre de 2015, mas havia recuado em janeiro.

Já na capital foram feitos 14.405 registros de roubo em março deste ano, ante 14.217 no mesmo mês de 2015. O avanço foi de 1,3% na comparação entre os dois períodos. Em fevereiro, o índice também havia subido – de 12.393 casos para 12.620 – alta de 1,83%. Já no acumulado do trimestre houve variação negativa de 0,32% no crime.

Queda. A SSP voltou a divulgar queda nas ocorrências de homicídio na capital. Em março, a cidade registrou 79 assassinatos – 24 a menos do que no ano anterior, quando os dados oficiais apontam 103 casos. O recuo é de 23,3%. Já em relação ao índice de vítimas de homicídios, houve queda de 28,07% no mês, de 114 mortes em 2015 para 82 neste ano. Na soma do trimestre, os homicídios recuaram 23,89%, de 293 para 223 casos.

Na capital, os latrocínios caíram 25%, segundo a SSP, com nove ocorrências em março de 2016. No ano anterior, foram 12. Por sua vez, os registros de estupro passaram de 197 ocorrências, em março do ano passado, para 191 neste ano. A queda é de 3,04%. Também houve redução nos índices de roubo de veículos (7,49%), roubo a banco (57,14%), roubo de carga (11,63%), furto (4,27%) e furto de veículos (7%). Esses índices, com exceção de furto, também caíram no Estado.

Os casos de homicídio caíram 10,95% em março no Estado. Foram 309 ocorrências, ante 347 em 2015. Ainda de acordo com a pasta, foi a primeira vez que o Estado ficou abaixo de mil vítimas na soma dos três primeiros meses do ano, com 918 pessoas assassinadas no primeiro trimestre de 2016. No ano anterior, foram 1.096.

Com a queda, a taxa de vítimas de homicídios no Estado caiu para 8,73 a cada 100 mil habitantes. Na capital, o índice é menor: 8,43 vítimas a cada 100 mil habitantes. Também houve recuo de 18,75% no índice de latrocínio, com 26 casos notificados em março de 2016 no Estado, ante 32 no ano anterior. 

Aumento. Os dados da SSP revelam ainda que as notificações de estupro subiram 4,24% em março, passando de 872 registros no mesmo mês de 2015 para 909, agora, em 2016. O crime de furto também apresentou aumento no mês. Foram 44.754 ocorrências em março deste ano: índice 1,63% superior na comparação com o mesmo período do ano passado.

Policiais cometem 1/4 dos assassinatos

Números obtidos por meio da Lei de Acesso mostram que 1/4 dos assassinatos ocorridos na capital em 2015 foi provocado por policiais. A contagem foi feita pelo SPTV, da TV Globo, e divulgada nesta segunda. Os números foram obtidos antes de o governo Geraldo Alckmin decretar sigilo. Os dados revelam que a polícia matou 412 pessoas, ou 26% dos 1.591 assassinatos em 2015. O levantamento é referente a mortes em supostos confrontos. A Secretaria da Segurança Pública não comentou os números.

Mais conteúdo sobre:
SÃO PAULOGeraldo AlckminPSDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.