Roubo de quadrinhos assusta colecionadores

Três homens armados invadiram sobrado do maior colecionador de quadrinhos do País, em São Paulo, e sumiram com HQs valiosas

O Estado de S.Paulo

25 de outubro de 2013 | 02h02

SÃO PAULO - O roubo, na semana passada, de 7 mil revistas em quadrinhos raras do colecionador paulistano Antonio José da Silva, o Tom Zé, chocou a comunidade das HQs. O escritor Gonçalo Júnior, autor de A Guerra dos Gibis, tem algumas raridades e está assustado. "Há alguns meses levei para Salvador, porque comecei a ser procurado por estranhos que queriam dar uma 'olhada' no material", disse. "É lastimável", afirmou o pesquisador Celbi Pegoraro, sobre o roubo. "O material era algo difícil de se ver por aí."

Três homens armados entraram no dia 16 em um sobrado na Vila Alexandria, nas imediações do Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, e saíram de lá com cerca de 7 mil revistas de histórias em quadrinhos. Foram levados cerca de 200 primeiros exemplares de revistas dos anos 1930 e 1940, como O Lobinho e O Gibi, um lote cujo valor poderia ser estimado em R$ 300 mil - caso existissem no mercado, o que não é o caso.

Mais conteúdo sobre:
QuadrinhosgibisrouboSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.