Estadão
Estadão

Roubo de carga e estupro aumentam no Estado e na capital em 2016

Homicídios, no entanto, apresentaram queda em relação ao ano de 2015 tanto no Estado como na cidade de São Paulo

Alexandre Hisayasu, O Estado de S.Paulo

24 Janeiro 2017 | 17h39

SÃO PAULO - Os roubos em geral bateram recorde no Estado de São Paulo no ano passado, chegando ao maior índice de registros da série histórica, relatada há 16 anos. Em contrapartida, os homicídios mantiveram a tendência de queda e registraram em 2016 os menores índices dentro das estatísticas criminais, conforme dados divulgados nesta terça-feira, 24, pela Secretaria da Segurança. 

No Estado, os roubos subiram 5,19% em 2016, em relação ao ano anterior. Passaram de 307.392 casos para 323.350 - quase 37 por hora. A capital seguiu a tendência de alta e registrou aumento de 3,18%, com 159.633 ocorrências, ante 154.706. No interior, houve alta de 8,27%, com o registro de 86.647 casos.

Para o secretário de Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, entre os crimes contra o patrimônio, o que mais chamou a atenção foi o aumento de roubos de carga. Segundo os dados da secretaria, a alta desse crime foi de 17,11% de janeiro a dezembro de 2016, em relação ao mesmo período do ano anterior, com 9.943 casos registrados, ante 8.490 ocorrências em 2015, no Estado. 

Na capital, a alta foi de 15,79%, com 5.866 casos registrados em 2016 e 5.066 no ano anterior. Já no interior, a alta foi de 22,11%, com 1.894 casos. “O roubo de carga tem crescido mês a mês. Operações foram feitas em cidades que apresentaram maior alta. E os números começaram a baixar”, afirmou o secretário. 

Segundo ele, apesar da alta em geral dos crimes contra o patrimônio, a queda constante dos homicídios é motivo de comemoração. No Estado, os assassinatos fecharam 2016 com 3.521 casos, ante 3.758 em 2015, queda de 6,31%, alcançando o menor número da série histórica. 

O Estado tem, segundo o governo, a menor taxa de homicídios do País: 8,12 casos e 8,47 vítimas de homicídio para cada 100 mil habitantes. Na capital, também houve recorde de recuo nos números: foram 844 registros em 2016, ante 991 em 2015, com queda de 14,83%. No interior, os homicídios aumentaram 2,78%, de 1.869 casos para 1.921, em 2016.

Outros crimes. O estupro manteve tendência de alta. De janeiro a dezembro de 2016, a capital registrou 2.299 casos, alta de 10,16% em relação a 2015, que fechou com 2.087. No Estado, o crime aumentou 6,72% em 2016 em relação a 2015. Foram 9.888 relatos, ante 9.265. O interior teve alta de 7,60%, com 5.891 registros. 

O latrocínio (roubo seguido de morte) cresceu no Estado e no interior. E teve ligeira queda na capital. Na cidade de São Paulo, o crime caiu 1,69% em 2016. Foram 116 casos, ante 118. No Estado, o aumento foi de 2,03%, com 361 casos, cinco a mais do que em 2015. No interior, a alta foi maior, de 8,28%, com 157 casos em 2016, ante 145 em 2015. 

Bicicletas. Mágino ainda anunciou nesta terça que no site da pasta já é possível consultar dados de bicicletas para saber se são ou não roubadas por meio do número do chassi. Disse também que números sobre a produtividade dos bombeiros serão incluídos nas estatísticas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.