Capítulo 24

Roteiro para um estranho

São Paulo é uma cidade cruel? Sim e não. Acredite, pode existir amor por aqui; confira roteiro

Daniel Fernandes, São Paulo

21 de outubro de 2019 | 16h53

Olá pessoal, tudo bem?

Depois de um período ausente, retomo a coluna com o compromisso de (voltar) escrever semanalmente sobre São Paulo. 

Por falar dessa metrópole, para quem nasceu ou adotou São Paulo, não há dúvida: ela é indomável. O ritmo é frenético. E é preciso devorar para não ser devorado. Será? Discordo. Tive uma queda feia de bicicleta no Parque do Ibirapuera recentemente. Não foi por isso que parei de escrever, mas por conta de todo trabalho nosso para levar a cabo a transformação digital do Estadão que você, caro leitor, começa a perceber todos os dias. 

Mas a queda foi feia, mas ela serviu para me mostrar como São Paulo, ou seus moradores, pode ser gentil também. Logo após cair tive dificuldade de me levantar. Estava morrendo de vergonha. Parecia que todo mundo que frequenta o Ibirapuera no fim de semana (e não é pouca gente) estava me olhando e dando risada (de vez em quando a insegurança juvenil bate forte). 

Ao tentar levantar, desisti. Era uma dor muito forte na clavícula do lado esquerdo e no braço direito. Mas esse nervosismo diminuiu por conta de um anônimo. Ele, que deve ter na casa dos 50 anos (se for mais, você está bem e se for menos, me desculpe aí), se aproximou de mim e me acalmou. "Fica calmo", ele repetiu mais de uma vez. "Você bateu a cabeça?" Tinha batido, mas de capacete, estava tudo bem. Falando, falando, falando.... ele me acalmou.

Calmo, e mesmo com muita dor, eu me levantei, e comecei a conversar com a Guarda Municipal que foi atender a 'ocorrência'. Quando me virei, para agradecê-lo, ele havia sumido. Fiquei sem saber quem ele era. Nem seu nome. Por isso, esse primeiro roteiro da volta da coluna, é para ele.

Meu caro desconhecido, se você gosta de cerveja, e eu nem sei se você bebe, vale a pena conferir esse roteiro temático sobre a bebida. Você, aliás, me parece ser uma pessoa sensível e, por isso, gostaria de recomendar o último filme do Almodóvar (mas acho que você já viu). Se quiser ir ao cinema e tomar um cafezinho, não deixe de conferir dicas de cafeterias para você conhecer nessa cidade meio maluca que é São Paulo.

Gostaria de recomendar a você, ainda, um passeio futebolístico, que é um dos meus preferidos, e não deixe de conhecer melhor a Rua Augusta. É demais, posso garantir a você. Independentemente de gostar ou não de tudo que eu ofereci, se você é paulistano de nascimento ou por adoção, vai gostar de uma bela pizza. E esse roteiro mostra quais são as melhores da cidade.

Teria mais um milhão de dicas, mas quem sabe não lhe passo pessoalmente. Durante uma cerveja ou um café?

Se foi você que me acalmou no Parque do Ibirapuera no início de outubro, mande uma mensagem aqui nos comentários.....

E de qualquer forma, muito obrigado.

Sim, existe amor em SP.

Daniel Fernandes

Daniel Fernandes

Editor de Suplementos

Formado em jornalismo em 1998, trabalha no Estadão desde 2004. Adora descobrir coisas novas na cidade de São Paulo, mesmo que falte tempo para conhecer tudo ao mesmo tempo agora.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.