Rota mata mais um ao checar denúncia sobre morte de coronel

Desde quarta-feira, cinco suspeitos de crimes foram mortos em supostos tiroteios com policiais da Rota

18 de janeiro de 2008 | 00h34

Na tarde desta quinta-feira, policiais militares da Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) mataram uma pessoa, quando checavam uma denúncia sobre dois suspeitos de envolvimento no assassinato do coronel José Hermínio Rodrigues, chefe do Comando de Policiamento de Área Metropolitano-3 (CPA-M3). Durante a operação, o ajudante geral Júlio César Perrotta Salomé, de 18 anos, morreu em uma suposta troca de tiros com os policiais. Um amigo dele, não identificado, conseguiu fugir.   Veja também Comandante da PM é assassinado na zona norte Coronel disse que corria risco Polícia caça pela zona norte assassino de coronel da PM ''Para ele, certo era certo e errado era errado'', diz amigo de PM assassinado   A suposta troca de tiros ocorreu por volta das 16h30 na casa 566 da Rua Catanduvas do Sul, no Jardim Santa Maria. Segundo os PMs, Salomé e o desconhecido viram a chegada dos policiais e correram. Ambos entraram na casa 556 e pularam o muro para a residência vizinha. Já no quintal do imóvel 566, Salomé teria sacado um revólver 32 e atirado nos PMs, segundo a versão dos policiais.   O jovem, que não tinha antecedente criminal, foi atingido por três tiros no peito e um nas costas e morreu no Hospital Vila Nova Cachoeirinha. Nenhum policial foi ferido. Seis revólveres dos policiais e o de calibre 32 foram apreendidos.   Assassinato   O coronel foi assassinado perto de sua casa com pelo menos seis tiros na manhã de quarta-feira, 16, na Avenida Engenheiro Caetano Álvares, no Mandaqui. Ele estava de férias e andava de bicicleta pela avenida, quando foi morto por um motociclista.   O assassino era moreno, usava roupa escura e coturno preto de cano curto, semelhante ao do uniforme da PM. O coronel foi levado ao hospital, onde morreu. Quatro suspeitos foram detidos, um deles PM, e depois liberados.   Morte na zona leste   Um homem que ocupava um carro roubado foi morto por volta das 22 horas de quinta-feira, em uma suposta troca de tiros com policiais da Rota. Ele estava na esquina da Rua João Bernardes com a Rua Veríssimo de Freitas, em Vila Ema, na zona leste.   José Wagner dos Santos, de 25 anos foi baleado e morreu quando era atendido no pronto-socorro de Vila Alpina. De acordo com a PM, José Wagner teria roubado um Honda Civic e, mesmo cercado pela polícia, teria atirado.   Seqüestro relâmpago   Três homens morreram após trocar tiros com policiais da Rota, no Jardim Aeroporto, na zona sul, na noite de quarta. Segundo a polícia, eles haviam seqüestrado um engenheiro de 27 anos, por volta das 20h30, na Alameda Jamaris, em Moema. O rapaz esperava pela namorada, em frente do prédio dela, dentro de um Ecosport prata, quando foi rendido por um homem armado.No quarteirão seguinte, outro homem entrou no carro, e a cena se repetiu na esquina à frente. O engenheiro ficou em poder de três criminosos, armados com duas pistolas e um revólver calibre 38.A namorada do rapaz, que chegava à portaria quando ele foi rendido, sabia que o carro tinha sistema de rastreamento e telefonou para a empresa de segurança. A polícia foi informada sobre a localização do veículo. Houve perseguição, que terminou na Rua Estevão Baião, no Campo Belo. O criminoso que dirigia freou, e a viatura bateu no Ecosport. Os três suspeitos teriam descido atirando. O engenheiro ficou no carro e escapou ileso. Foram baleados e mortos Genesis Cerqueira Araújo, de 20 anos, Luiz Eduardo de Almeida, de 21, e José Sérgio Alves Martins, de 22. var keywords = "";   Texto alterado às 12h10 para acréscimo de informações.

Tudo o que sabemos sobre:
morte de PM

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.