Felipe Mortara/AE-31/05/2012
Felipe Mortara/AE-31/05/2012

Rota entre Cunha e Paraty será asfaltada

Ibama libera e pavimentação dos 9,4 km na Serra da Bocaina deve começar neste mês

FELIPE WERNECK / RIO, O Estado de S.Paulo

10 Outubro 2012 | 03h07

Prometida há décadas, a pavimentação de um trecho da Estrada Paraty-Cunha, que integrava a Estrada Real, vai começar neste mês. A obra ficará pronta em julho de 2014, segundo cronograma apresentado pelo governo do Rio. O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) concedeu na sexta-feira licença de instalação para a obra em 9,4 quilômetros não pavimentados que ficam dentro do Parque da Serra da Bocaina.

Haverá cobrança de taxa para veículos que atravessarem a via. O valor, no entanto, ainda não foi definido. O subsecretário estadual de Urbanismo Regional e Metropolitano, Vicente Loureiro, disse que a taxa deverá ficar em torno de R$ 10, mas ainda depende da tramitação de uma autorização legislativa. O objetivo, segundo ele, é reduzir o tráfego "desnecessário". Os recursos serão destinados ao Instituto Chico Mendes e deverão ser aplicados no parque.

Outra medida restritiva em discussão é a proibição da passagem de veículos no período noturno. "Isso será definido na licença de operação. Há um desejo do Instituto Chico Mendes de interromper o tráfego de veículos à noite", disse Loureiro.

De acordo com o subsecretário, o trecho da estrada é curto, mas "difícil" - por isso o prazo de 21 meses para finalizar as obras. "É um desafio: um sítio em declive, em uma região com muita chuva e uma obra com uma série de recomendações e cuidados ambientais."

Investimento. O custo total estimado é de R$ 80 milhões, dos quais R$ 66 milhões serão aplicados em obras de engenharia e R$ 14 milhões em adequações e programas ambientais. A obra de pavimentação da RJ-165 será feita pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER) até a divisa com o Estado de São Paulo, onde há conexão com a SP-171. "A distância entre Paraty e Cunha será encurtada em 270 quilômetros", disse Loureiro, referindo-se ao contorno que hoje precisa ser feito até Ubatuba.

Além do escoamento do pescado de Paraty e do turismo na região, o subsecretário listou outros benefícios da nova estrada, que vai facilitar o fluxo de visitantes que chegam de São Paulo e do sul de Minas. "Será um ganho fantástico para pessoas que precisam, por exemplo, estudar em uma faculdade ou fazer tratamento médico especializado, como hemodiálise, em Taubaté."

Segundo ele, a estrada também poderá servir de rota de fuga em caso de acidente nuclear em Angra dos Reis. Por isso, parte dos recursos para financiar obras e projetos ambientais virá da Eletronuclear.

A Paraty-Cunha seguirá o conceito de estrada-parque, a exemplo da Capelinha-Mauá, na região do Médio Paraíba, com uso de asfalto menos poluente, preservação do curso de rios e córregos e criação de travessias aéreas e subterrâneas para animais - alguns ameaçados de extinção, como o rato-toupeira, que tem apenas 22 centímetros de comprimento e 22 gramas. Pesquisadores da Uerj catalogaram 31 espécies de mamíferos na região.

Mais conteúdo sobre:
bicicleta cunha-paraty

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.